Perfil

Vida Extra

“O Desaparecimento de Madeleine McCann”: saiba tudo sobre a primeira série da Netflix em Portugal

Maddie desapareceu há 12 anos de um resort na Praia da Luz, no Algarve. A série documental “O Desaparecimento de Madeleine McCann” estreia-se na Netflix

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Foi em 2007 que Madeleine McCann, a menina inglesa, desapareceu de um resort na Praia da Luz, no Algarve e agora a Netflix vai estrear, esta sexta-feira, uma série documental onde é abordada a investigação que decorreu em torno deste desaparecimento.

A produção da Netflix está dividida em oito partes, cada uma com uma hora de duração. A maioria das informações e depoimentos foram recolhidos em Portugal. O trabalho do investigador Gonçalo Amaral é posto em causa e é feita referência de que naquela altura estava sob investigação. Em 2008 Leonor Cipriano, que estava a ser julgada pela morte da filha, paralelamente processou Gonçalo Amaral por tortura durante o interrogatório.

PAIS DE MADDIE REAGEM AO DOCUMENTÁRIO

Kate e Gerry McCann já reagiram à notícia da estreia de um documentário sobre o caso do desaparecimento da sua filha Madeleine McCann que se estreia esta sexta-feira. “Sabemos que a Netflix está a planear um documentário sobre o desaparecimento de Madeleine. A produtora convidou-nos a participar nele”, começa por declarar o casal num comunicado.

Mais à frente, explicam as razões que os levaram a dizer não à participação no projeto. “Não vimos na altura, e continuamos a não ver, como é que este programa ajudará na busca por Madeleine e, em particular, ajudar a investigação policial. Pode até potencialmente obstruí-la.”

E terminam no mesmo tom: “Em consequência, os nossos pontos de vista não estão refletidos neste programa. Não vamos fazer mais qualquer comentário ou dar entrevistas relacionadas com o programa.” Assim, o documentário da Netflix irá contar com vários testemunhos, exceto dos pais de Maddie, Kate e Gerry McCann.

A Pulse Films, que produziu o documentário, terá investido cerca de 24 milhões de euros no filme, afirmando que o mesmo poderá "trazer justiça a esta história inacreditavelmente trágica".

Teríamos gostado de trabalhar diretamente com os McCann, mas eles informaram-nos que não podem, nem querem participar, visto que a investigação policial sobre o desaparecimento da sua filha ainda está a decorrer”, acrescentou um porta-voz da produtora.

A Netflix tem apostado em documentários que abordam casos criminais, como é o exemplo de Making A Murderer, onde é apresentada a tese de que Steven Avery recebeu a sentença errada duas vezes. Agora é a vez do caso da menina inglesa ser julgado no pequeno ecrã.

Siga Vida Extra no Facebook e no Instagram