Perfil

Vida Extra

Sugar babies procuram sugar daddies. Elas são as novas cortesãs

Há cada vez mais mulheres — muitas delas adolescentes — a utilizar a internet para encontrar homens ricos. Trocam sexo e companhia por dinheiro, roupas caras, malas de designer, viagens de sonho e outros luxos. Será esta a nova economia da prostituição?

“P
rocuro sugar baby”. O anúncio, apresentado no site Anúncios Para Todos, não era propriamente original — Rita* tinha respondido a mais de uma dezena de outras publicações semelhantes, todas do género “homem procura menina para passar tempo”. Não sabia nada sobre qualquer daqueles indivíduos. Não lhes conhecia a cara, não sabia se eram perigosos, não tinha forma de confirmar se o que afirmavam sobre eles era, de facto, verdade. Mas nada disso a demoveu. Sabia que eles gostavam “de meninas mais novas” e não lhe fazia confusão estar com homens que tinham idade para serem pais dela. “O sexo não era problema. Fui precoce: perdi a virgindade com 12 anos”, conta ao Expresso, sentada à mesa de um café a curta distância da escola onde estuda, nos arredores de Lisboa. Tem 17 anos e está a poucos meses de se candidatar à universidade.

Quando algum anúncio lhe captava a atenção, respondia sempre da mesma forma. “Dizia-lhes que era uma menina muito mimada, já a dar a dica de que queria dinheiro”. Filha de um médico e de uma empresária, divorciados, nunca lhe faltou nada, “mas queria mais”. “Sempre tive uma fixação por malas e coisas caras”. Ouvia as amigas dizerem, na brincadeira, que o melhor era “arranjarem um sugar daddy”, um homem rico disposto a satisfazer-lhes todos os caprichos. Desconhecia a expressão, então foi pesquisá-la no Google. Ficou convencida. “Adoro sentir-me mimada e adoro a atenção, por isso para mim fazia todo o sentido juntar sexo a ‘mimos’”. Não é de carinho que ela fala: estes ‘mimos’ incluem cartões de crédito, roupas de marca, malas caras, telemóveis, computadores e outros presentes.

O homem do anúncio, de 40 e poucos anos, contactou-a pouco depois de ter recebido a mensagem dela. Foi direto ao assunto. “Obrigado pela tua resposta. Gostei muito das tuas fotos, és muito bonita. Em que estavas a pensar, Rita? Preferias encontros esporádicos? Queres que façamos um acordo monetário ou tens outra coisa em mente? Já agora, como te defines sexualmente? Há algo de que não gostes ou sentes-te confortável com tudo? Se quiseres, podemos almoçar ou tomar um café e depois decides. Beijos”. Sem o saber (ela dir-lhe-ia mais tarde que tinha 16 anos), o homem estava prestes a envolver-se com uma rapariga de 14 — em Portugal, ter sexo com um menor entre 14 e 16 anos é um crime punível até dois anos de prisão quando se considere que existe “abuso da inexperiência”.

Dias antes, Rita aceitara ir para um motel da Grande Lisboa com um homem de 38 anos. Recebeu 200 euros, mas decidiu não voltar a vê-lo. Achou-o “demasiado estranho”. “Tinha tudo menos o perfil de alguém com quem gostasse de passar mais tempo”. Por isso, desta vez queria ir com calma.

A adolescente e o homem do anúncio trocaram mensagens no telemóvel durante duas semanas antes de se encontrarem. Foi assim que ela ficou a saber que ele era empresário e tivera um cargo político “relativamente importante”. Era casado, com dois filhos, um dos quais pouco mais novo do que ela. Como já tinha tido sugar babies, explicou-lhe o que esperava dela. “Foi com ele que aprendi como as coisas funcionavam. Disse-me que era importante que uma sugar baby fosse mais do que sexo, que tivesse uma boa educação, que soubesse apreciar as coisas. Ele achava muita piada eu ser uma miúda muito educada, tínhamos vários gostos em comum... Demo-nos logo bem”.

Definiram também as regras daquela relação: se tivessem empatia quando se conhecessem iriam encontrar-se duas vezes por semana e poderiam passar alguns fins de semana fora. Em troca, ele entregar-lhe-ia um cartão bancário com um plafond mensal de 500 euros, pagaria todas as despesas quando estivessem juntos (refeições, jantares, hotéis, etc.), comprar-lhe-ia roupa e outros presentes. “Ofereceu-me imensas malas. Recebi uma Louis Vuitton, que queria muito, duas Longchamp, uma Purificación Garcia, uma Michael Kors... Também me deu um computador portátil MacBook, anéis e colares em ouro que não faço ideia quanto custaram”. O pai, com quem a jovem vive, nunca notou nada.

Quando Rita e o empresário se encontraram pela primeira vez, ele foi buscá-la à escola, não se apercebendo (ou não querendo perceber) que ali só estudavam jovens até ao 9º ano. “Não sei se ele desconfiava ou não, mas acho que não queria muito saber”. Nesse dia, jantaram num restaurante de Lisboa. Dois dias depois, foram para um motel. Apesar de não se sentir fisicamente atraída por ele, Rita confessa que o sexo não foi um problema. A explicação sai-lhe desassombrada: “Dificilmente algum homem que procura este tipo de relações é bom na cama. Dão uma e morrem. Não tive de me preocupar muito”.

Os encontros sucederam-se ao longo de um ano. Jantavam em restaurantes da moda, dormiam em bons hotéis (aos pais ela dizia que ia ficar em casa de uma amiga), saíam juntos à noite. Para não levantarem suspeitas, evitavam sempre os lugares frequentados pelos pais ou amigos dela. Ninguém parecia estranhar a diferença de idades. “As pessoas achavam que ele era meu pai”.

Rita decidiu afastar-se quando percebeu que ele exigia demasiado dela. Foi o seu limite. “Por exemplo, preocupava-se demasiado com a minha aparência. Tinha de estar sempre impecável, bem princesa e gira. Tenho dias maus, como toda a gente, mas não podia ter. Chegou a dar-me um cartão presente do cabeleireiro para eu ir tratar do cabelo”. Não falam há mais de um ano. Ela não tem saudades, garante.

Depois do empresário, conheceu um engenheiro informático de 45 anos, também casado mas sem filhos, a viver na Linha de Cascais. O relacionamento durou menos de três meses. “Ao fim de quatro ou cinco semanas já estava farta dele, até porque ele não me dava tantas coisas como o outro”. Em vez de dinheiro, recebia diversas prendas, mas ele insistia em ir comprar tudo com ela. “Era muito constrangedor. As pessoas percebiam que ele não era meu pai pela maneira como falava comigo”. Quando ela começou a afastar-se, ele encheu-a de ainda mais prendas. “Uma vez foi a Barcelona com a mulher e trouxe-me umas quatro malas, perfumes, maquilhagem, montes de coisas... Não sei como fez isso sem ela reparar”. Afastaram-se quando a mulher dele viu uns e-mails que ele tinha trocado com outras mulheres. “Disse-lhe que era melhor não falarmos mais. Não quero confusões”.

Que muitos homens procurem sexo neste tipo de sites não significa que não desejem mais do que isso, acredita Rita. “Querem alguém para ter sexo, sim, mas também alguém que os acompanhe nos seus interesses. Caso contrário procuravam prostitutas”. Não falta, por isso, quem procure companhia para viagens de negócios, para eventos sociais, para umas férias, para escapar à rotina do matrimónio. “Ou têm mulheres que já não suportam ou estão fartos de ser sempre a mesma coisa. Querem sentir que controlam e que são desejados”.

A nova economia da prostituição

Os relacionamentos, o sexo e o dinheiro sempre andaram de mão dada. Tradicionalmente, os homens garantiam a segurança financeira no lar em troca da virtude sexual da mulher, recorrendo muitas vezes a amantes e prostitutas para explorar os prazeres mais mundanos. Durante séculos, monarcas e nobres rodearam-se de cortesãs, cobrindo-as de luxo e de status junto da corte. Estas chegavam até a substituir as esposas em eventos sociais, algo relativamente comum numa época em que muitos matrimónios eram mantidos por questões de linhagem sanguínea e preservação de alianças políticas.

Relações entre homens abastados e mulheres jovens e belas não são, por isso, um fenómeno novo, mas a internet veio facilitar muito o encontro entre ambos. Da mesma forma que aplicações como o Tinder multiplicaram oportunidades para solteiros (e não só), surgiram vários sites e apps que permitem pôr em contacto os ricos e os belos, de forma rápida e privada, num mundo sem fronteiras: um milionário americano, por exemplo, pode ter a beldade eslava com quem sempre sonhou à distância de um clique; e um clique é quanto basta para colocar uma jovem universitária europeia no radar de um qualquer príncipe árabe. A revista “Vanity Fair” chama-lhe “a nova economia da prostituição”: jovens mulheres e homens (sugar babies) que trocam sexo e companhia pelo dinheiro e os ‘mimos’ de pessoas mais velhas e, sobretudo, mais ricas (sugar daddies e sugar mommas).

Para quem está confortável com este tipo de honestidade sobre aquilo que deseja, as opções são cada vez mais diversas. Há apps com nomes como Sugar Daddy Meet, Millionaire Match (espécie de “Quem quer conhecer um milionário?”) e Miss Travel, para as mulheres que desejam sacar umas férias à borla num destino capaz de fazer inveja aos seguidores no Instagram. Mas o mais popular é, porventura, o Seeking Arrangement (SA), que diz promover aquilo a que chama “compromissos mutuamente benéficos”.

O homem por trás do projeto é Brandon Wade, um empresário nascido em Singapura há 47 anos. Decidiu criar o site devido ao insucesso que tinha com as mulheres, uma frustração que nem os tradicionais sites de encontros resolveram, apesar de ter uma licenciatura e um mestrado no MIT e um ordenado de seis dígitos. “Acreditem ou não, só dei o primeiro beijo aos 21 anos. Quando és adolescente, as aparências são tudo e eu não tinha hipótese. Era um rapaz incrivelmente tímido e solitário”, escreveu em 2014 num ensaio publicado no site da CNN.

No artigo, Wade (que foi registado como Lead Wey, mas mais tarde decidiu mudar o nome para “soar um pouco mais como Hugh Hefner”) defende que o amor “é um conceito inventado pelos pobres”. O SA era para homens como ele, ricos mas enjeitados no mundo do romance. Homens dispostos a aceitar um atalho — mesmo que em troca de muitos dólares — para ter aquilo que tantas vezes lhes foi negado. O sucesso do site motivou-o a criar outras plataformas, como o Miss Travel ou o WhatsYourPrice, onde se negoceia o preço de um encontro. Curiosamente, o SA ajudou o seu fundador a encontrar a atual mulher: conheceram-se quando ela foi a uma entrevista para uma posição na empresa.

Criado em 2006, o site tem estado desde sempre na mira de vários detratores, que o acusam de ser, na melhor das hipóteses, um supermercado para o adultério e, na pior das hipóteses, um bordel virtual. “Admito que há uma linha ténue, mas as minhas intenções são puras”, garante Wade. “Os críticos não estão todos errados. Sou o primeiro a admitir que há quem não adira ao site pelas razões certas. Todos os dias expulsamos dezenas de prostitutas porque tentam usá-lo inadvertidamente. Quando ofereces uma plataforma para conhecer pessoas ricas e bem-sucedidas, não vais atrair sempre corações genuínos. Mas é injusto pôr toda a gente na mesma ‘caixa’. Porque devemos definir como desagradável um estilo de vida que não compreendemos?”

A plataforma tem 10 milhões de utilizadores ativos em todo o mundo, 8 milhões dos quais sugar babies e os restantes sugar daddies e sugar mommas. Segundo os seus responsáveis, um terço dos homens inscritos são casados. E quatro em cada 10 sugar babies são universitárias, que, em especial nos EUA, procuram uma forma de fazer frente aos custos galopantes das propinas (a média de um crédito para estudantes no país supera os 23 mil euros). É uma tendência que o site encoraja com um marketing agressivo, tentando que racionalizem a decisão de aderir: se várias outras jovens o estão a fazer, então deve ser algo socialmente aceitável. E bem rentável: a empresa alega que o rendimento médio de uma sugar baby é de 3000 dólares por mês (quase 2500 euros), o que pode ajudar a explicar o porquê de a opção se ter tornado cada vez mais popular entre alunas do ensino superior.

À primeira vista, o SA é semelhante a qualquer outra app de encontros, só que aqui o dinheiro não é um pormenor. Além de dados pessoais como a idade, a altura e a constituição física, sugar daddies e sugar mommas têm de incluir informação sobre a sua fortuna e os seus rendimentos anuais. Para terem uma assinatura Premium — a única que permite enviar e ler mensagens — pagam 80 euros por mês, o que ajuda a afastar meros curiosos. A utilização é gratuita para sugar babies, que devem incluir informação sobre o estilo de vida a que aspiram (há seis níveis: negociável, mínimo, prático, moderado, substancial e elevado).

Em Portugal, a maioria das sugar babies inscritas no site são mulheres de 20 e poucos anos, muitas delas universitárias, algumas comprometidas, mas há também mulheres na casa dos 30, 40 e até 50 anos. Há quem queira encontrar o seu Christian Grey, o milionário de “50 Sombras de Grey”, quem procure “um compromisso de longo prazo com a pessoa certa”, quem aposte tudo num casamento, quem deseje um mentor ou um investidor para um negócio, quem tente encontrar alguém disposto a pagar implantes mamários e outras cirurgias plásticas, e quem afirme só querer diversão. Não faltam jovens dispostas a seguir o caminho mais curto para o dinheiro fácil, seja vendendo sexo ou conteúdos sexuais (fotos e vídeos delas). É tudo uma questão de encontrar o preço certo: em alguns casos, 100 ou 150 euros por umas horas de prazer.

Outras, como Mariana, procuram alguém que esteja disposto a passar-lhes um punhado de euros para a mão, mas sem esperar sexo em troca. A jovem de 21 anos, estudante da Universidade de Coimbra, leu um artigo sobre findom (submissão financeira) e inscreveu-se há um mês no site na esperança de encontrar um homem interessado em oferecer-lhe dinheiro, roupas e presentes para ser dominado por ela. Em alguns casos, a relação envolve pagamentos pontuais, noutros é definida uma mesada, mas há situações em que a dominatrix assume o controlo das contas bancárias do seu escravo financeiro (também conhecido como money pig). Geralmente, este tira prazer em ser maltratado ou insultado, receber fotos dela a usar as coisas que comprou com o dinheiro dele, vê-la na webcam a divertir-se em festas ou a fazer sexo com um homem que considere inferior a ele. A jovem revela que o namorado está a par do seu fetiche, mas ainda não encontrou ninguém disposto a estabelecer essa relação com ela.

Dinheiro na mão, calcinha no chão

Na maioria dos casos, porém, o site facilita a troca de sexo por dinheiro, mesmo que nenhum dos seus responsáveis deseje admiti-lo. Há uma boa razão para não o fazerem, para lá das implicações legais e morais associadas à prostituição: uma jovem bonita e altamente educada preenche a fantasia de muitos homens, mas reconhecer que a atenção que recebem é comprada destrói-lhes fantasia. Cria-se então a ilusão de que o elemento sexual destas relações não é forçado mas natural. Finge-se que aquele relacionamento não é uma transação.

Amanda, uma atraente e curvilínea universitária brasileira que chegou a Portugal no ano passado para fazer um mestrado na Universidade do Porto, esperava encontrar um sugar daddy com mais facilidade. “Tá difícil, sabe?”. O problema, diz, é que os portugueses são muito “dinheiro na mão, calcinha no chão”. “Aqui os caras ainda não percebem muito bem o conceito, confundem muito com prostituição. Dizem coisas como ‘dou-te 120 euros para irmos para um hotel’. Não é isso que quero. Não quero ter vários parceiros, não acho isso saudável. Quero criar um laço a longo prazo”.

A jovem, de 23 anos, conheceu o SA e outras plataformas semelhantes através de amigas, portuguesas e brasileiras. Aderiu por necessidade, para poder continuar a estudar. Os 500 euros que a mãe lhe envia todos os meses são insuficientes para fazer face às despesas. “Pago 250 euros pelo quarto, 300 de propina, 200 de comida... É dinheiro pa caramba! Se a minha família tivesse condições para me enviar 1000 euros, jamais estaria fazendo algo assim, porque não é uma coisa fácil”. Porque não procurar um part-time? “Estou aqui com um visto de estudante e encontrar trabalho é difícil até para quem é de cá, imagina para quem não é. Tenho aulas de manhã e de tarde, então não tenho muita disponibilidade em horário comercial, o que torna tudo ainda mais difícil”.

Ter um sugar daddy não é algo novo para ela. Há três anos, quando vivia na Alemanha, conheceu um empresário de 48 anos, casado, dono de várias empresas tecnológicas, “com bastante dinheiro”. “É um coroa bonitão, cheio de presença, alto, de olhos azuis, bem inteiro para a idade dele. Foi uma pessoa que me ajudou muito. Era uma amizade bonita, um carinho muito grande, não era uma coisa só ligada no sexo. Muitas vezes íamos só jantar, falar da vida e pronto. No fim do mês, isso não afetava nada quanto ele me ajudava”.

O empresário alemão era “bem generoso”: dava-lhe uma mesada de 2500 euros, fora as prendas que lhe oferecia — sapatos, malas Chanel de 3000, 4000 euros, anéis de diamantes e de esmeraldas, viagens a Paris, Londres, Amesterdão ou Ásia, com estadas em hotéis de cinco estrelas e resorts de luxo. Na altura, ela pagava 500 euros de renda no pequeno apartamento onde vivia e gastava 1200 ou 1300 euros por mês. Tudo o que sobrava mandava para a família. Quando o avô adoeceu, desfez-se de muitas prendas que recebeu para ajudar a pagar as despesas dos tratamentos e regressou ao Brasil.

Desde que chegou a Portugal, há uns meses, falou com vários homens na app, mas só se envolveu com um, um norte-americano de 38 anos, solteiro, gestor numa multinacional. “Ele queria uma companhia porque estava a trabalhar muito, não tinha tempo para namorar. Alguém para sair no final da semana, mas sem cobranças chatas”. Encontraram-se três vezes, tiveram sexo uma. Ele entregou-lhe 350 euros no final de cada encontro. “Foi ele quem definiu a parte financeira. Disse-lhe que, como ainda nos estávamos a conhecer, ele não precisava sentir-se na obrigação, mas ele insistiu. Os americanos entendem bem o conceito de sugar daddy e sugar baby”.

Ter-se-ia envolvido sexualmente com ele se não houvesse qualquer contrapartida financeira? “Claro”, responde prontamente. “Ele é um homem bonito, jovem, na faixa etária que me atrai, a dos 35 aos 45 anos. Nem sempre a parte financeira vem com a da atração, mas neste caso sim. Quando digo atração não digo que tem de ser um príncipe, mas tem de ter o mínimo para te fazer curtir aquilo que vocês vão viver. Tem muita menina que só pensa no dinheiro e vai com caras horríveis, e não falo apenas fisicamente. Caras que são pedantes, mesquinhos, arrogantes. Eu não consigo”.

Concordaram em encontrar-se três vezes por mês, aos sábados. Como contrapartida, ele pagar-lhe-ia uma mesada de 800 euros, suficientes para cobrir praticamente todas as despesas dela no Porto. O acordo só não foi para a frente porque ele acabou transferido para os EUA. Como presente de despedida, ofereceu-lhe mais 500 euros.

A jovem universitária está feliz em Portugal, mas acredita que teria mais sorte noutras geografias. “Londres é o melhor lugar para conseguir um sugar daddy, depois Paris e Berlim”, explica. No Dubai, então, “a parada é outra”. “Lá o negócio é muito alto. Tenho uma amiga que tem uma mesada que supera os 5000 euros por mês, é bastante luxo. Agora ela deve fazer mais de 10 mil, porque tem dois sugar daddies”.

O presente que veio de longe

Foi precisamente do Dubai que chegou o presente mais inesperado no 20º aniversário de Carolina: um cheque de 300 euros, enviado por um homem que tem idade para ser avô dela e que ela nunca conheceu pessoalmente. Dois meses antes, a estudante numa universidade lisboeta tinha criado uma conta no SA depois de ter visto um documentário sobre sugar babies. Filha de pais divorciados, queria aproveitar para sair da sombra do pai, que lhe dá 500 euros de mesada e ainda lhe paga a renda do quarto e as propinas. “Todos sonhamos com uma vida muito melhor do que aquela que temos, por mais desafogada que seja. Procurar um sugar daddy passa por tentar tornar esse desejo realidade”.

Pareceu-lhe uma boa ideia, pelo menos até ter começado a falar com um homem que “atrofiava demasiado” com as tatuagens dela. Tinha já decidido apagar a aplicação quando recebeu no e-mail a notificação de uma mensagem. A primeira coisa que a intrigou foi a localização do remetente: Dubai. A segunda, a forma como se dirigiu a ela. “Não parecia o tipo de pessoa que me queria apenas comer. Parecia estar genuinamente interessado em conhecer-me. Acho que percebeu pelo meu perfil que não sou uma daquelas miúdas que parecem promotoras de discotecas, tenho cabeça”. Ficou suficientemente intrigada para tentar confirmar no Google se ele era mesmo quem dizia ser. O que não esperava era encontrar alguém “tão rico” como ele. “É sócio de um importante escritório de advogados, ganha milhões. Até tem um Bentley com motorista”.

Não nega que a fortuna dele lhe chamou a atenção, mas garante que não foi apenas isso que a cativou. “Ele é alguém que se preocupa mesmo comigo e eu também já me preocupo com ele. Falamos quase todos os dias desde há três meses”. Ele prometeu visitá-la em Lisboa em fevereiro, depois de uma viagem de negócios a Singapura. Enquanto o dia não chega, vão falando por Skype e por Whatsapp, e trocam muitas vezes fotos e vídeos de cariz sexual. A idade dele — 59 anos, praticamente o triplo da dela — não a demove. “Se penso ter sexo com ele? Gostava. Estou a começar a curtir dele”.

O sugar daddy de Carolina quer comprar-lhe uma casa no Algarve para que ela esteja segura no futuro. Amanda continua à procura de um homem que possa tornar a vida dela em Portugal mais simples. Rita decidiu tirar “uma folga dos daddies”, pelo menos até ir para a universidade. Mariana ainda não desistiu da ideia de encontrar um homem que lhe pague para ser dominado por ela. Uma dezena de outras mulheres contactadas para esta reportagem preferiu remeter-se ao silêncio. Mesmo quando os afetos e a intimidade são trocados por bens de luxo, estas transações têm para elas um custo elevado: o estigma social associado a um comportamento que, apesar de mais complexo, muitos consideram próximo da prostituição. É possível que uma mala Chanel ou uns sapatos Louboutin ajudem a esquecer isso por uns momentos, mas conseguirão fazê-lo para sempre?

*Os nomes foram alterados para proteger a identidade destas mulheres, à exceção do de Amanda, que quis manter o seu nome verdadeiro

(Artigo publicado originalmente no site do Expresso a 3 de fevereiro de 2018)