Perfil

Vida Extra

A Ria Formosa tem um barco em forma de casa com vista 360º para passar o fim de semana

Os irmãos Pedro e Marina queriam oferecer ao que visitam o Algarve uma nova forma de fazer turismo, num espaço que permita “flutuar na Ria com o conforto de uma casa”

É uma plataforma flutuante com todas as comodidades de uma habitação normal, que incluem um quarto com espaço de arrumo, uma kitchenette com equipamento suficiente para fazer uma refeição, uma casa de banho e um pequeno terraço à frente, que só não é o ponto alto deste barco em forma de casa porque no topo está um outro, a toda a largura. A vista de 360 graus torna-se, por isso, um dos grandes atrativos deste primeiro espaço da “Casas da Ria”, uma empresa que pretende disponibilizar na Ria Formosa um conjunto de barcos casa que ofereceram uma nova forma de fazer turismo.

“A oferta hoteleira no Algarve é muita e variada, mas não havia este tipo de alojamento”, conta ao Vida Extra Pedro Palma, responsável pela plataforma, em conjunto com a irmã, Marina Travassos, e a ajuda de outros elementos da família. “Existem barcos onde se pode pernoitar na Ria Formosa, mas nenhum com este formato onde todos os compartimentos estão acima da linha de água”, reforça Palma, rematando com uma ideia que, para a família, é essencial - a oferta é portuguesa, ecológica e sustentável.

O catamarã, que tem capacidade para acomodar quatro pessoas, é “totalmente alimentado por energia solar e com o seu próprio sistema de tratamento de águas sujas, sem químicos”, explica o proprietário, que pretende instalar brevemente um sistema de monitorização da qualidade da água. A ideia é que a Ria não seja negativamente impactada pela chegada de turistas, que a bordo recebem “um guia de boas práticas a ter no contexto do turismo de natureza”.

Para lá ficar, é preciso gastar entre 190 e 400 euros, dependendo do número de pessoas, dos dias e da duração da reserva, que nas épocas baixa, média e alta deve ser, no mínimo, de 2 dias, e de 5 na época especial.

O design modernista foi feito a pensar em racionalizar o espaço, oferecer iluminação natural e ter “uma identidade própria”, conferida pelos exteriores em cortiça, que remetem novamente para o ecoturismo de que o projeto não se afasta, já que “nasceu do desejo de oferecer um tipo de alojamento com foco na sua integração com a natureza e em particular com a nossa Ria Formosa”.

O barco casa está fundeado e com os motores selados, pelo que não pode ser navegado. Porém, quem lá ficar tem direito a um bote para pequenas deslocações e um táxi marítimo disponível 24 horas por dia. Mas o melhor programa a fazer é partilhado por Pedro Palma no Vida Extra e inclui duas noites de alojamento na embarcação, coroadas com “um passeio de barco pelos canais da Ria Formosa, com uma mariscada incluída para almoço, um passeio pedestre pelo cordão dunar arenoso da Ria e uma saída para observação de golfinhos”.

Pelo meio, vale a pena aproveitar o que os proprietários chamam o “jardim de 18.400 hectares” da embarcação e ficar atento aos novos projetos da Casas da Ria.