Perfil

Vida Extra

Diabetes mata uma pessoa a cada oito segundos

Portugal é o país da União Europeia com maior prevalência da doença

Um cada dois diabéticos não está diagnosticado

mohd azamisarju

O tempo, por vezes, não tem tempo e aquele que o leitor precisará para ler esta frase será fatal para alguma pessoa em qualquer parte do mundo. Oito segundos. É esta a velocidade com que a diabetes ceifa mais uma vida, embora mais de metade dos casos tipo 2 pudessem ser travados com prevenção adequada.

De acordo com um relatório da OCDE, Portugal é o país da União Europeia com mais diabéticos, afetando mais de um milhão de pessoas. O número duplica quando se analisa a população em situação de “pré-diabetes”. Todos os dias são registados 200 novos casos no nosso país, onde se estima que 300 mil doentes ainda não tenham sido diagnosticados.

Um em cada dois diabéticos ainda não tem diagnóstico, apesar de o rastreio precoce ser essencial para prevenir ou retardar complicações que podem ser fatais. “A diabetes é a principal causa de cegueira, amputação, doença cardiovascular, insuficiência renal e mortalidade precoce”. O alerta é feito por José Manuel Boavida, endocrinologista e presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), entidade que, em conjunto com a International Diabetes Federation, promove a campanha de sensibilização “Diabetes: Proteja a sua família”, dinamizada no âmbito do Dia Mundial da Diabetes, assinalado esta quinta-feira.

“Há hábitos simples que ajudam a reduzir o risco de desenvolver a doença. Sabemos que há mais de 50% dos casos de diabetes tipo 2 são preveníveis”, frisa o especialista. A prevenção passa, desde logo, pela adoção de uma alimentação mais cuidada, pela promoção da prática de exercício físico e por um ambiente familiar saudável.

O tratamento desta patologia e das complicações de saúde associadas à mesma representa cerca de 10% da despesa em Saúde, o que corresponde a 1% do PIB nacional.