Perfil

Vida Extra

É preciso ser uma máquina na luta contra o cancro

Novo algoritmo alcança melhores resultados do que especialistas médicos no rastreio de cancro do pulmão

Getty Images

O cancro pulmonar é responsável, anualmente, pela morte de 1,7 milhões de pessoas e figura na lista negra como o tumor mais letal para os homens, sendo o segundo que mais vidas ceifa entre a população feminina. A deteção numa fase precoce é essencial para o tratamento, mas as tomografias, com doses baixas de radiação, continuam a suscitar problemas como falsos negativos e falsos positivos, passíveis de tornar o diagnóstico numa autêntica encruzilhada para os médicos. E é aqui que entra a inteligência artificial, através de um sistema desenvolvido pela Google e a Universidade Northwestern, do Illinois.

O novo algoritmo, ainda em fase de testes, já demonstra ser tão eficiente — ou mais — do que os radiologistas a prever o risco de alguém sofrer de cancro do pulmão, de acordo com os resultados publicados na revista científica “Nature Medicine”.

Através deste método, a prevalência de falsos positivos pode decair até 11%, enquanto os falsos negativos podem ter um decréscimo máximo de 5%.

“De um modo geral, os radiologistas examinam centenas de imagens bidimensionais, mas este novo sistema de aprendizagem automático vê os pulmões numa grande imagem tridimensional”, enaltece Mozziyar Etemadi, da referida academia norte-americana.

Siga Vida Extra no Facebook e no Instagram.