Perfil

Vida Extra

Moda gera 8% da pegada global: portugueses mostram solução para reduzir impacto na Web Summit

Startup portuguesa HUUB cria métricas que replicam a fórmula para quantificar as emissões de carbono já usada em marcas como Gucci, Saint-Laurent ou Balenciaga. Na Web Summit, vai lançar um programa a dois anos de 'transparência carbonica' para as empresas

Houcine Ncib/Unsplash

A startup portuguesa HUUB, que gere marcas 'slow fashion', vai avançar com um programa nos próximos dois anos destinado a quantificar o impacto desta indústria nas emissões de carbono, que será lançado na Web Summit, a conferência de inovação e empreendedorismo que começou esta segunda-feira em Lisboa.

Tendo como objetivo "liderar um movimento de transparência e otimização da pegada carbónica para a indústria da moda", e enfatizando o peso da indústria da moda ao nível do ambiente - que representa cerca de 8% da pegada carbónica global - a HUUB está empenhada em torná-lo "visível e compreensível" para as marcas de 'slow fashion' que integram a sua plataforma logística, apelando para a "necessidade de implementação de estratégias de redução do seu impacto".

A HUUB vai lançar na Web Summit um conjunto de análises e métricas que desenvolveu, centradas no impacto da cadeia de abastecimento e nas matérias-primas, prevendo que no prazo de dois anos as empresas cuja logística é gerida pela sua plataforma possam quantificar em cerca de 70% a sua pegada ecológica.

A equipa da startup portuguesa HUUB

A equipa da startup portuguesa HUUB

Suportada pelas equipas próprias de analistas e cientistas de dados, a promoção da transparência carbónica contará com o contributo da matriz Environmental Profit & Loss, criada pelo grupo Kering para as suas marcas (Gucci, Saint Laurent, Balenciaga, Alexander McQueen).

Adaptando a fórmula à realidade do seu ecossistema, a HUUB conseguirá extrapolar resultados de forma a mostrar aos seus parceiros não só o impacto que têm na emissão de carbono, mas também o custo ambiental das suas matérias-primas, dois pontos críticos no caminho para uma moda mais sustentável. Um serviço que vem acrescentar valor à oferta da HUUB e que passa a estar disponível, pela primeira vez, para qualquer marca, seguindo a lógica de democratização no mundo da moda que a startup tem perseguido.

Na Web Summit, a HUUB apresenta um 'visualizador de emissões carbónicas', que mostra e quantifica as emissões de CO2 em tempo real relativamente às operações das suas marcas, tendo em conta o impacto por país, por tipo de transporte escolhido e por canal de venda.

Após o arranque no Web Summit, a equipa da HUUB começará a trabalhar esta nova realidade, disponibilizando às empresas dados que lhes permitirão aferir o impacto carbónico do transporte das encomendas.

“O primeiro passo para solucionar um problema é percebê-lo. É isso que queremos construir com as nossas marcas. Um programa que, numa fase inicial, permita identificar o impacto ambiental produzido e, numa segunda fase, definir as medidas de melhoria e otimização”, explica Luís Roque, cofundador e CEO da HUUB.

“Gerimos, neste momento, cerca de 70 marcas, na sua maioria, insígnias 'slow fashion' com a sustentabilidade no seu ADN. Queremos ajudá-las a crescer e a ganhar escala, mas de uma forma sustentada e consciente. Acima de tudo, queremos com isto criar um efeito de contágio positivo, que se estenda a toda a indústria da moda a médio prazo”, frisa ainda Luís Roque.

Escolher o guarda roupa: qual a fatura para o ambiente?

O stand da HUUB na Web Summit (E253 – FIL 2) inclui ainda uma 'Fashion Footprint Calculator', para que qualquer visitante perceba o impacto das suas escolhas de guarda-roupa no meio ambiente.

"Compra artigos em segunda mão? Aposta em materiais orgânicos? De que forma se desloca para comprar vestuário? Estas são apenas algumas das perguntas que ajudarão a perceber quão amigo do ambiente é o vestuário que usamos", explicita a startup, avançado que após a Web Summit esta iniciativa estará disponível em site, "para que o trabalho de consciencialização do consumidor de moda vá além do evento e se torne parte integrante do Programa de Transparência Carbónica da HUUB'"

O programa para a transparência carbónica fará parte do pitch levado por Luís Roque ao Growth Summit Stage, a 7 de novembro, às 10h14, onde a HUUB será a única empresa portuguesa presente. Desde a última edição da Web Summit, onde foi apresentada como 'breakout startup', pelo seu potencial, a HUUB registou um crescimento exponencial de 100% no seu rendimento anual. Até ao final do ano, prevê chegar a perto de 100 colaboradores.