Perfil

Vida Extra

Henrique Sá Pessoa quer ligar a cozinha ao mundo artístico

O chefe com duas estrelas Michelin tornou o seu Atelier em Marvila num espaço de restauração mais exclusivo e intimista, onde planeia fazer experiências gastronómicas disruptivas, jantares 'pop-up' ou eventos de carácter artístico

Silvia Martinez

Henrique Sá Pessoa, chef português com duas estrelas Michelin, resolveu dar "nova vida" ao seu Atelier em Marvila, dois anos de ter aberto este espaço de criação gastronómica, em novembro de 2017. O Atelier de Sá Pessoa em Marvila irá continuar, como até à data, a receber jantares privados marcados pela presença do chef, mas passa a alargar o seu espetro de ação a eventos mais 'premium', como jantares 'pop up' e diversos eventos de caráter artístico.

Sá Pessoa abriu o Atelier em Marvila no objetivo de ter um espaço para criação e experimentações culinárias num local mais discreto em Lisboa, longe dos holofotes e da agitação do seu restaurante Alma no Chiado, que tem duas estrelas Michelin. Passados dois anos, o chef decidiu elevar a fasquia para este seu 'hub' criativo, destinado a servir de 'supper club' que reune doze comensais numa única mesa em jantares e eventos privados - para o tornar num local de experiências ainda mais "disruptivas" a nível gastronómico, que podem estar associadas a marcas, para jantares pop-up ou eventos de carácter artístico, a par de soluções 'taylormade' à medida de cada evento.

"Esta nova vida do Atelier marca o início de outra etapa, com novos desafios e sempre pontuada pela excelência“, salienta Henrique Sá Pessoa, que vai continuar a partilhar as suas criações gastronómicas com Pedro Larcher, chef I + D do Atelier.

Foi uma palestra de gastronomia que mudou a sua vida

Nascido em Oeiras, e hoje com 43 anos, Henrique Sá Pessoa estava longe de pensar tornar-se chef de cozinha quando era pequeno. Despertou para esta temática na adolescência, numa palestra sobre gastronomia a que assistiu pela primeira vez num projecto de intercâmbio nos Estados Unidos. A partir de então, decidiu ingressar num curso no Pensylvania Institute of Culinary Arts, e depois foi para Londres, mais precisamente para o Park Lane Hotel, onde ficou até 1999. Uma transferência na cadeia Starwood levou-o até à Austrália e ao Sheraton on the Park, em Sidney, onde viveu de perto o espírito dos Jogos Olímpicos. Neste país marcado por uma mescla de culturas e nacionalidades, mediterrânicas ou asiáticas, aprendeu o conceito de “cozinha de fusão”, em que ingredientes e técnicas de várias culturas se encontram.

Em 2002, Sá Pessoa regressa a Portugal para integrar a equipa do Lapa Palace, mas é em Cascais, no restaurante Xarope, que exerce pela primeira vez a função de chef de cozinha. Seguiram-se os espaços La Villa, no Tamariz (2004), o Bairro Alto Hotel (2005), que culminaram com a distinção de “Chefe Cozinheiro do Ano”. Posteriormente, foi responsável pela cozinha do Panorama, do Hotel Sheraton, donde saiu em 2009, para abrir o Alma, servindo cozinha contemporânea. Mais tarde, inicia uma parceria com os donos do grupo Multifood, com quem começa a desenvolver projectos 'taylormade'. Nasceram assim o Cais da Pedra, em Santa Apolónia, e Henrique Sá Pessoa Mercado da Ribeira. Em 2015, o Alma muda-se para um edifício histórico no Chiado e um ano depois, conquista a sua primeira estrela Michelin, a que se seguiu uma segunda estrela, em 2018.