Perfil

Vida Extra

Este sábado há 500 vinhos de 70 produtores para provar em Lisboa

O Adegga WineMarket celebra 10 anos a olhar o Tejo, com uma nova sala premium, para vinhos especiais

O Adegga WineMarket chega a Marvila no dia 1 de dezembro, para celebrar 10 anos de vida com 500 vinhos de 70 produtores nacionais para provar e comprar e com alguns petiscos. “A seleção é nossa, inclui todos os tipos de vinho e abrange todo o país”, garante André Ribeirinho, um dos fundadores do projeto.

Ao todo, são 26 edições de um evento que começou em Lisboa, onde se tornou bianual, alargou a presença ao Porto, uma vez por ano, já passou, também, por Bruxelas, Estocolmo e Berlim, e foi abrindo espaço a novidades como a Sala Premium, com vinhos raros e especiais, mas acesso limitado a 100 pessoas.

Aqui, há 50 vinhos com preços de mercado entre os 20 e os 350 euros para provar sem direito a repetições. “Feitas as contas ao preço por garrafa vezes o número de garrafas que vão ser abertas no sábado à tarde para servir as 100 pessoas, teremos ali concentrados 10 mil euros em vinhos” adianta André Ribeirinho.

Para abrirem a porta desta sala, os visitantes terão de comprar um bilhete de 50 euros. Por isso impõe-se a pergunta: não será demasiado caro? “As entradas na sala premium já esgotaram e ainda não divulgamos a lista dos vinhos à prova”, responde.

Os novos, os Bio e os Ânfora

O acesso geral ao evento e aos 500 vinhos à prova custa 20 euros (15 euros na compra de bilhete online), mas há uma versão mais cara, de 40 euros, que permite, além das provas, transformar o preço do bilhete em compras. A oferta de rótulos, neste caso, varia entre os 5 e os 50 euros, a preços de mercado.

Outra inovação a marcar 10 anos de vida do certame, é o destaque dado a uma região vitivinícola regional para subir ao palco de Marvila, com 14 produtores de vinhos do Tejo a apresentarem uma seleção de rótulos de diferentes perfis, com provas comentadas.

Atento às tendências emergentes do mercado, o Adegga WineMarket aposta, também, na segmentação da oferta, apresentando uma oferta especial de vinhos biológicos, biodinâmicos, sustentáveis e naturais, com o selo Adegga Bio, e vinhos de ânfora, com o selo Adegga Ânfora.

O lugar aos novos é dado no espaço Adegga Rising Stars, que apresenta 8 novos protagonistas do sector.E há, ainda a lista “50 Best Value”, de André Ribeirinho, com propostas até aos 15 euros para quem quiser descobrir “a qualidade acessível” dos vinhos portugueses.

A procura está mais exigente

À espera de mil visitantes na tarde de sábado, o Adegga WineMarket convidou, também, alguns produtores a cruzarem os seus vinhos com gastronomia, o que significa que haverá, em Marvila, seis mesas de chefes e muitos petiscos.

Em 10 anos, diz André Ribeirinho, só 10% dos produtores convidados a participar terá mudado, mas a oferta de vinhos é renovada a cada edição porque todos os anos há vinhos novos e cada um dos presentes só apresenta oito rótulos do seu portfólio.

Por regiões, “na Adegga como no país, o Alentejo e o Douro dominam”, acrescenta.

Assumindo que o objetivo do evento é aproximar produtores e consumidores, André Ribeirinho não revela o volume de vendas do último Adegga WineMarket.

Quanto ao que mudou em 10 anos, recorda que os bilhetes custavam 5 euros, contra os 15 euro atuais, e destaca “o salto de qualidade na oferta dos vinhos, mas também na exigência da procura”. Um dos sinais, diz, é “o preço médio por garrafa das marcas selecionadas. Aqui, ronda os 10 euros, um valor 5 vezes superior à média do mercado nacional”.

A carregar...