Perfil

Vida Extra

Relaxamento profundo (yoganidra) para grávidas e não só. Um aperitivo de umas férias bem merecidas

A crónica de bem-estar de Cristina Diniz ganha nova entrada, sempre à quarta-feira, no Vida Extra

D.R.

Os dias correm atribulados, existe sempre do que tratar, assuntos a resolver, questões pendentes, preocupações que surgem. Há também muito sorriso lindo pelo meio, gargalhadas soltas e saudáveis e os dias vão somando e seguindo. As férias aproximam-se e ansiamos por dias langorosos, calmos, quentes, relaxantes, onde o tempo seja só nosso e mais fácil de gerir.

Que bem me sabe um final de dia quente na areia morna, quando o céu anilado dá devagarinho lugar ao por do sol voluptuoso, laranja cálido e aquela imensa beleza toma conta do meu coração. Aí, onde o meu filho e eu crescemos, eu relaxo e sou mesmo eu, estou perfeitamente em casa.

E nessa areia limpa, junto a esse mar que exala o cheiro mais agradável de todos, reconheço sempre como é saboroso relaxar profundamente o corpo de encontro à Terra, como é bom abandoná-lo descontraidamente, descansar e confiar que tudo está certo e perfeito.

Então … até que as merecidas férias cheguem para todos nós e pensando em todos em geral, mas nas mulheres grávidas em particular, eu deixo aqui um relato de uma hipótese de relaxamento profundo, o que na linguagem do yoga referimos como yoganidra, esse tempo onde desligamos completamente o corpo, mas mantemos a mente ativa e consciente.

Yoganidra na praia

Yoganidra na praia

Cristina Diniz

Relaxamento profundo

Podemos fazer o yoganidra a nós próprios, mentalizando as indicações de relaxamento e visualizações ou podemos pedir a alguém para nos fazer, criando cenários imaginários próprios ou simplesmente lendo. Desta vez, imagine uma voz calma a verbalizar as palavras que seguem.

Na praia ou noutro local aprazível e sossegado, a futura mamã (ou qualquer pessoa independentemente da idade ou sexo) deita-se de forma confortável (grávidas a partir da 16ª semana de gestação devem deitar-se de lado, viradas para o lado esquerdo), com o corpo solto, sem tensão, relaxado, sentindo-se de bem com a vida. Convém ajeitar o corpo, conforme for necessário, tentando não o movimentar mais até ao fim do exercício. O yoganidra é uma prática de descontração durante a qual nos devemos manter sempre acordados, ouvindo a voz que seguimos, filtrando e assimilando apenas o que pretendermos.

Inspira profunda e lentamente e ao expirar vai relaxar todos os músculos, ossos, ligamentos e órgãos do corpo. Sinta o ponto de contacto dos pés com o chão, das pernas com o chão, do tronco, braços e cabeça com o chão, o ponto de contacto das pálpebras entre si, o ponto de contacto dos lábios um com o outro, apenas o ponto de contacto.

Inspira e ao expirar levar a atenção e relaxar os pés, dedos por dedo, do maior ao menor, a planta dos pés, tornozelos, as pernas, joelhos, coxas, genitais, órgãos e músculos da região abdominal.

Inspirando profundamente quando expirar, vai dirigir amor incondicional ao bebé dentro de si, tendo consciência de que respiram juntos, de que o bebé sente todo o calor, proteção e amor da mãe, que ele adora e precisa da mãe, que ele está no melhor lugar onde poderia estar, tendo consciência que o batimento do seu coração o tranquiliza e a vossa ligação será sempre única, instintiva, primitiva, de que esse amor é único e enorme.

Continuando a respiração consciente, quando expirar relaxe os pulmões, tranquilize o coração, descontraía os ombros, braços, cotovelos, antebraços, pulsos e as mãos, dedo por dedo de cada mão. Levando a atenção agora à garganta, descontraindo as cordas vocais, a laringe, a faringe, sentindo a língua solta no interior da boca, mandíbulas descontraídas, os lábios relaxados, mantendo a face serena, os nervos e músculos oculares tão descontraídos que afundam até à zona occipital na base do crânio, descontraindo também pálpebras e sobrancelhas, tanto que parecem derreter para os lados e sentindo a testa desenrugada. Relaxe ainda a cabeça, o couro cabeludo, cabelo por cabelo e as orelhas.

É agora a altura de mentalizar o sankalpa, ou seja, a sua firme resolução, algo que queira muito alcançar para a sua vida, tanto como se estivesse já agora a acontecer, num pensamento expresso numa frase curta, positiva e no tempo presente. No yoga só existe o agora.

E vai imaginar que o seu filho já nasceu, que tem quatro aninhos agora e que brinca com ele na praia, sob um sol matinal morno e acolhedor, imaginando-o também a brincar nas pocinhas de água, a correr na areia junto a um mar calmo. Imagina que juntos desenham um sol e flores na areia molhada, passando assim uns momentos que ficarão gravados para todo o sempre.

Vivencia por uns minutos esse tempo mágico e prepara-se depois para retornar do yoganidra.

Lentamente vai ouvindo melhor a voz que faz o relato, os sons à volta, abrindo lentamente os olhos, vendo mais cores e mais formas, passando a língua pelos lábios, deglutindo a saliva e sentindo o paladar, fazendo respirações mais profundas trazendo mais energia ao corpo, vai tocando com o polegar em cada dedo da mão, movimentando as mãos, esticando os braços, as pernas, espreguiçando todo o corpo, bocejando, sorrindo, fazendo o que o corpo lhe pedir para fazer.

Com calma, no seu tempo, coloca-se primeiro de lado, sentindo o conforto dessa posição fetal para depois, lentamente, com a ajuda da mão no chão, erguer o corpo bem devagarinho e sentar, observando a calma em si e o bem-estar que o seu corpo e mente agora agradecem.

E termina assim a prática de yoganidra, um aperitivo para umas férias que desejo sejam relaxantes, repletas de momentos felizes e de yoga!

Boas práticas!

Siga Vida Extra no Facebook e no Instagram.