Perfil

Vida Extra

Gosta de história? Durma nestes hotéis

Na crónica desta semana, a jornalista Catarina Nunes escreve sobre o luxo sem preço de hotéis com vista para a história e património cultural

O número de estrelas já não é suficiente para distinguir os hotéis uns dos outros. Com a crescente explosão dos hotéis que cumprem os requisitos necessários para alcançar as cinco estrelas, a exclusividade faz-se através de características que não têm preço. É neste domínio que o Le Monumental Palace, no Porto, e o Pestana Plaza Mayor, em Madrid, se colocam, ao terem muito para contar sobre a história e património cultural das quatro paredes que os albergam.

O corrimão da escada é a única referência visível no interior que o Le Monumental Palace, no Porto, mantém do edifício original

O corrimão da escada é a única referência visível no interior que o Le Monumental Palace, no Porto, mantém do edifício original

Stefan Kraus / Mickael Goupil

Estes dois hotéis, um instalado em Portugal e o outro gerido por um grupo português, convidam os hóspedes para uma viagem no tempo. O Le Monumental integra a cadeia francesa Maison Albar Hotels e ergue-se no Porto num edifício neoclássico de 1923, projetado pelo arquiteto italiano Michelangelo Soá. Dessa época resta pouco mais do que a fachada gótica e alguns detalhes no interior, como o corrimão de uma escada.

Mais presente está a história que transformou o antigo Café Monumental, na época frequentado pela alta sociedade portuense, na primeira unidade do grupo Maison Albar Hotels fora de França. Do início para a atualidade, o luxuoso café, famoso na Península Ibérica, foi perdendo o brilho. Foi convertido na Pensão Monumental e a partir daí entrou em decadência. De sede de campanhas políticas e até do Futebol Clube do Porto, este espaço chegou ainda a ser ocupado por um stand de automóveis.

O Café Monumental é a brasserie do Le Monumental e onde se sente a história do antigo café que deu origem ao hotel

O Café Monumental é a brasserie do Le Monumental e onde se sente a história do antigo café que deu origem ao hotel

Stefan Kraus / Mickael Goupil

O Le Monumental Palace não revela o passado recente menos glamouroso, resgata antes o ambiente vivido no início. Quem chega mergulha na sofisticação dos anos 20/30 e, para quem não conhece o passado mais plebeu, é impossível pôr em causa a autenticidade deste hotel, onde todos os detalhes remetem para as primeiras décadas do século 20. Mas, na verdade, pouco ou nada é original, exceto um corrimão e algumas vigas.

O trabalho de materialização da alma deste edifício destruído foi desenvolvido pela dupla de designers de interiores Artur Miranda e Jacques Bec, da Oitoemponto. Num estilo art déco e art noveau, o recuar no tempo é feito com objetos encontrados em antiquários, espelhos em talha dourada, mármores portugueses e alcatifas com desenhos feitos à medida, por exemplo.

Para a decoração dos interiores ser uma réplica fiel do original, a dupla de designers recorreu a anúncios da época (onde foi recuperado o tipo de letra usado na atual sinalética do hotel) e a fotos antigas.

O edifício neo-clássico do Le Monumental Palace foi projetado pelo arquiteto italiano Michelangelo Soá em 1923 e tem vista sobre a Baixa do Porto

O edifício neo-clássico do Le Monumental Palace foi projetado pelo arquiteto italiano Michelangelo Soá em 1923 e tem vista sobre a Baixa do Porto

Stefan Kraus/ Mickael Goupil

Apesar de ser propriedade do grupo Paris Inn, que detém a cadeia Maison Albar Hotels, o projeto de reabilitação foi desenvolvido pela Mystic Invest, do empresário Mário Ferreira, que vendeu ao grupo francês o hotel já concluído. São 76 quartos e 13 suites, com três restaurantes, um SPA (o primeiro da marca Nuxe em Portugal) e um bar, onde se sente a atmosfera passada em que aqui tocava uma orquestra ao vivo.

Devolver um edifício à cidade é também o que faz o Pestana Plaza Mayor, em Madrid, localizado na histórica praça, construída em 1617, que dá o nome ao hotel do Grupo Pestana. A história remonta ao século 17, quando a Plaza Mayor é o epicentro da Madrid de los Austrias, dinastia que governa Espanha nos séculos 16 e 17. Hoje, o grupo madeirense deixa a sua marca, ao instalar o primeiro e único hotel existente na história da emblemática praça, no coração de Madrid.

Algumas paredes interiores do Pestana Plaza Mayor mantêm à vista os tijolos originais (com 400 anos) da antiga Casa de la Carnecería onde o hotel do Grupo Pestana está instalado

Algumas paredes interiores do Pestana Plaza Mayor mantêm à vista os tijolos originais (com 400 anos) da antiga Casa de la Carnecería onde o hotel do Grupo Pestana está instalado

O passado sente-se não só na fachada como em algumas paredes interiores, que mantêm à vista os tijolos originais (com 400 anos) da antiga Casa de la Carnicería, o primeiro negócio albergado neste edifício, no século 17. O local de armazenamento e venda grossista de carne, que hoje é o hotel, faz parte de um passado em que a Plaza Mayor além de um mercado alimentar acolhia também touradas, peças de teatro e um mercado de moedas e selos, ao domingo.

Apesar de ter vista para a Plaza Mayor, a entrada do hotel faz-se pela Calle Imperial, devido à proibição de trânsito na praça onde começou a capital de Espanha, em 1561. O lobby localiza-se num edifício no prolongamento da antiga Casa de la Carnicería, onde anteriormente se encontrava um quartel dos bombeiros. Nesta área, o grupo Pestana deixa uma pegada para a história futura, ao escolher a calçada portuguesa como pavimento do restaurante. Aliás, esta é a única referência nacional que está presente, além dos produtos de higiene Castelbel na casa de banho dos quartos.

A calçada portuguesa no pavimento do restaurante RIB no Pestana Plaza Mayor deixa uma marca nacional no centro histórico de Madrid

A calçada portuguesa no pavimento do restaurante RIB no Pestana Plaza Mayor deixa uma marca nacional no centro histórico de Madrid

Pelo contrário, o 98º hotel do grupo Pestana, que integra a divisão Pestana Collection, reflete a cultura espanhola e a praça madrilena que o acolhe. Nos quartos, as portas dos roupeiros recriam o fumo dos três grandes incêndios que ocorreram na praça, com desenhos ao estilo das gravuras de Goya. A referência dos padrões das alcatifas, por seu lado, encontra-se olhando pela janela para o lado oposto ao hotel, nos frescos da fachada da Panadería, onde há 400 anos havia uma padaria e hoje se encontra o Turismo de Espanha.

As cores intensas e profundas usadas na decoração são decalcadas da pintura espanhola do século 17, época desde a qual estiverem escondidas (para não serem roubadas) as baionetas encontradas durante as obras, na zona de uma antiga cave onde foi montado o spa. Nas áreas sociais, a história faz-se com o passado recente e trazendo para dentro de portas a atmosfera exterior: um vitral do início do século 20 com um urso e um medronheiro (símbolo da cidade de Madrid) e um tapete no Salon de Columnas que reproduz o padrão geométrico do pavimento da Plaza Mayor.

O spa do Pestana Plaza Mayor era uma antiga cave, onde foram encontradas baionetas do século 17 escondidas

O spa do Pestana Plaza Mayor era uma antiga cave, onde foram encontradas baionetas do século 17 escondidas

É impossível ver rastos dos inquilinos anteriores (escritórios da Hacienda madrilena) e hoje os novos hóspedes desfrutam da vista para a praça em 34 dos 89 quartos. O contrato de concessão é por 40 anos, mas, se a história se repetir, a pegada portuguesa do grupo Pestana manter-se-á nos séculos que estão por vir e fará parte da narrativa futura. Assim será igualmente no Le Monumental Palace, no Porto. Da decadência dos edifícios brota a alma destes hotéis com vista para a história.

Le Monumental Palace
Avenida dos Aliados 151, Porto
Quartos €200/€3000 (suite Monumental)
https://www.maison-albar-hotels-le-monumental-palace.com/pt/

Pestana Plaza Mayor
Calle Imperial 8, Madrid
Quartos €200/€650
https://www.pestanacollection.com/pt/hotel/pestana-madrid-plaza-mayor

Siga Vida Extra no Facebook e no Instagram.