Perfil

Vida Extra

A criança está doente e o mais importante é ter calma. Breve guia para pais ansiosos

O “Diário de um Pai Solteiro”, às segundas-feiras na Vida Extra, fala-nos esta semana sobre os vários estados da doença

Photo by Zhen Hu on Unsplash

A Panda apanhou escarlatina e ficou em casa comigo. Devo estar a confundir com outra doença qualquer ou a misturar histórias, mas tinha ideia que a escarlatina estava erradicada e que os últimos casos ocorreram algures em navios piratas nas Caraíbas. Depois explicaram-me que a escarlatina não é grave, o que me leva a questionar a razão de dar um nome tão assustador a uma coisa que não é grave. Talvez devessem repensar a nomenclatura das doenças?

Já vi constipações e viroses terem um impacto muito mais forte nela do que esta da escarlatina que só lhe deixou a língua vermelha e umas dores de garganta. Mas uma pessoa ouve constipação ou virose e fica descansada. Aliás, virose nunca ouvi a não ser da boca do povo, deve ser uma coisa inventada pelos portugueses para incluir todas as doenças que não adiante decorar o nome. Um pouco como os portugueses que se referem a “tomar um comprimido” quando estão doentes. Um comprimido de quê? Um comprimido. Não interessa. “Remédio” também é outro termo genérico.

A indústria farmacêutica teria muito a ganhar com outros nomes para as doenças de crianças, de modo a assustar mães ansiosas. Em vez de papeira, um nome patusco, podia ser algo como Doença do Enforcado. Uma gripe podia passar a “Doença de Patrick Laidlaw” em memória do senhor que isolou o vírus. Acho sempre que doenças com nomes de pessoas são assustadoras.

Por exemplo doença de Creutzfeldt–Jakob soa a sentença de morte, mas Doença das Vacas Loucas soa a grupo de inglesas nos bares de Albufeira. Também há doenças com nomes fofinhos que são mesmo graves, como a “doença dos pezinhos”. O nome original é polineuropatia amiloidótica familiar, também pode ser paramiloidose ou doença de Corino de Andrade. Qualquer uma destas opções significa algo assustador, condizente com uma doença genética, degenerativa, gravíssima, rara e fatal. Mas vai o português e pumba: “é a doença dos pezinhos”.

Por outro lado isto tem o condão de tranquilizar os pais em caso de diagnóstico. O médico “Tenho más notícias, o seu filho tem a doença dos pezinhos” e os pais pensam logo que o médico está a exagerar e que com umas palmilhas ortopédicas tudo se resolve. Onde é que eu ia? A Panda tem escarlatina. Mas isso só por si não quer dizer nada.

A Panda e todas as crianças têm essencialmente cinco estados possíveis no que respeita à saúde e doença:

• Saudável Verdadeira - a criança está bem disposta e não se lembra de estar doente. Não lhe dói nada, não tem reclamações, tem fome e energia. Estado muito raro nas manhãs de dias de escola.

• Doente Saudável - a criança está com febre, diarreia e/ou vómitos, mas como era suposto ir à piscina, praia ou festa de anos, a criança não tem reclamações, apresenta-se geralmente animada e recusa ficar de cama. Estado nunca verificado em dias de escola.

• Doente A Ver se Pega - a criança não tem febre, vómitos ou outros sintomas visíveis, no entanto é dia de escola e a criança explora várias possibilidades, como dores de barriga, de cabeça ou de garganta, mostra uma nódoa negra numa perna e tosse.

• Doente Doente - a criança apresenta-se prostrada, sem apetite e com febre. E não é dia de escola. Levar muito a sério. Ligar à saúde 24 é uma boa ideia.

• Doente Oficial - os pais foram ao médico ou hospital com ela e saíam de lá com um diagnóstico real e instruções para as receitas médicas.

Este estado oficial não tem qualquer correlação com a sintomatologia da criança. Se for dia de escola e tiver de ficar em casa com o pai, apresentar-se-á muito tranquila e satisfeita, com a segurança de um diagnóstico médico. Mas pode mudar para Doente A Ver se Pega caso necessite de algo.

Por exemplo, a minha Panda Escarlatinosa, acabou de entrar no meu escritório com ar pesaroso a arrastar os pés, depois de uma barrigada de brincadeira e desenhos animados, e ter o seguinte diálogo:

- Papá, dói-me a barriga. Estou doente, com escarlatina. Sabias? Preciso de gomas. Ou qualquer coisa docinha que tenhas nos armários da cozinha.