Perfil

Vida Extra

Do que é que se tem falta quando se tem tudo?

O recomeço de vida do ex-CEO da Boucheron na Comporta, que deu origem a um perfume, e o luxo da serenidade inspiram a jornalista Catarina Nunes na crónica ‘Sem Preço’ desta semana

Pierre Bouissou, ex-CEO da Boucheron, recomeça a vida na Comporta, onde pretende viver até ao fim da vida

© Arno LAM

Do que é que se tem falta quando se tem tudo? Enquanto a euforia da conquista de milhões e do consumo em igual medida distraem o espírito, a questão (provavelmente) nem sequer se coloca. Ou vem à cabeça em momentos de problemas ou perdas pessoais. Para Pierre Bouissou, ex-CEO da Boucheron, a questão surgiu já com a resposta formada quando pôs os pés pela primeira vez na Comporta, há oito anos.

Para o homem que presidia o destino de uma das mais conceituadas casas de luxo de joias e relógios, a vida tinha-se tornado insuportável. Stressado e exausto, a trabalhar 15 horas por dia, com uma rotina feita de reuniões sucessivas com François-Henri Pinault, presidente do grupo Kering que detém a Boucheron, mais os 150 dias por ano que Pierre Bouissou passava na Ásia, onde todas as marcas de luxo têm de vingar para sobreviverem. Não tinha paz nem serenidade. Já carregava o lastro de décadas ao serviço da LVMH, onde foi diretor-geral da marca de marroquinaria e artigos em pele Berluti e da divisão de produtos de cosmética Christian Dior, que sucederam ao início de carreira na Pierre Fabre e na L’Oréal.

A aterragem na Comporta é o clique que lhe faltava para pôr em causa a maneira como vive e trabalha e acaba por ser o ponto de partida para a criação de uma marca própria, com o perfume Alma da Comporta. Chega aqui em 2011, em plena ‘travessia do deserto’, por insistência da sua melhor amiga, Claire Choisne, diretora criativa da Boucheron, que o convida a passar uns dias na casa que detém na Comporta, à semelhança de muitos outros franceses cansados da sofisticação e superficialidade parisiense.

Está encontrado o lugar onde Pierre Bouissou quer passar o resto da vida. Compra o terreno em frente à casa de Claire Choisne, no meio do pinhal perto da Aldeia da Muda, e constrói uma casa de dois andares, pensada para ser vivida com amigos. Uma ampla sala no piso térreo, com paredes revestidas com longas portas de correr envidraçadas, viradas para uma piscina e para a natureza luxuriante da Comporta. É neste local que Pierre Bouissou conta a sua história e apresenta o resultado final do namoro que mantém com a região a sul do estuário do rio Sado, entre arrozais e dunas que delimitam uma extensão de praia a perder de vista.

O perfume Alma da Comporta cheira a tudo isto. Com uma primeira nota fresca de pinho e da brisa do oceano, com flor de laranjeira, as notas de fundo do alecrim e da lavanda, mais o cedro, o pinho, o patchouli e a água dos arrozais. Pierre Bouissou fala do primeiro produto da marca Alma como um apaixonado. Com um entusiasmo e emoção que disfarçam o nervosismo, sentimentos menos presentes ao longo dos 30 anos ao serviço dos maiores grupos de luxo do mundo, onde trabalha pressionado pela frieza dos números dos resultados financeiros.

O perfume Alma da Comporta (€180) está à venda apenas em Portugal e é o agradecimento de Pierre Bouissou às gentes da Comporta que o acolheram

O perfume Alma da Comporta (€180) está à venda apenas em Portugal e é o agradecimento de Pierre Bouissou às gentes da Comporta que o acolheram

D.R

Ao pensar em lançar um perfume, o ex-CEO da Boucheron não tem na cabeça a ideia de criar mais uma marca. Apesar de deter uma empresa de consultoria estratégica para marcas, já tem uma vida cheia disso. Prefere antes dar forma, através deste projeto, a um agradecimento à Comporta e às suas gentes que o acolheram. Não tem vergonha em assumir que chega aqui desfeito. Sem família nem filhos e certo de que cada dia tem de ser um prazer porque não sabe o que pode acontecer a seguir. Em 2015 decide parar de trabalhar para poder viver, consciente que em trinta anos não viu mais nada a não ser produtos, reuniões de negócios e celebridades.

A propósito: é da cabeça de Pierre Bouissou que sai a ideia de contratar a atriz Sharon Stone como imagem do creme Capture Total da Dior, na época em que está à frente da divisão de cosmética da Christian Dior. Cansado de ver raparigas de 25 anos a fazerem anúncios para mulheres de 50 anos, o fundador do Alma da Comporta pensa em celebrar a passagem do tempo, que entende como um amigo, sustentado que as mulheres aos 50 anos podem ser mais bonitas do que aos 25 anos. Uma certeza que para Pierre Bouissou é encarnada pela atriz de ‘Instinto Fatal’.

Na Comporta não são as celebridades que tem como vizinhos que o encantam. Entre a conversa vai referindo as pessoas a quem se sente grato pelo acolhimento. Desde o Tobias, da marisqueira com o mesmo nome no Carvalhal – onde garante comer o melhor arroz de marisco que já provou -, a Isabel Jorge de Carvalho, sócia da agência de comunicação e relações públicas Global Press, passando pelos muitos locais que tornam a Comporta o último destino desejado por este francês nascido há 58 anos em Nice e que, no Atlântico, resgata as memórias de infância no Mediterrâneo.

O Alma da Comporta encerra o percurso deste consultor de marcas que começa do zero no sul de França com o sonho de viver em Paris e que acaba esmagado pela pressão do estilo de vida de quem está no topo. Os ingredientes que compõem a essência criada por François Demachy, um dos ‘narizes’ mais conceituado do mundo e perfumista da Dior, têm origem na Comporta, mas percorreram Grasse (a capital dos perfumes), Paris e Lisboa. Pierre Bouissou justifica o périplo europeu desta fragrância com a necessidade de concretizar na perfeição o perfume com que sonhava e, para isso, precisava de trabalhar com os amigos. Por rigor e honestidade, o Alma da Comporta assume as suas origens com um ‘Made in EU’ na embalagem.

D.R.

Já o seu destino é para permanecer em Portugal, em apenas cinco lojas, distribuídas entre a Comporta, Troia, Lisboa, Porto e Quinta do Lago, a partir do dia 1 de junho. Vender a nível internacional está fora de hipótese, pelo menos nos próximos dois ou três anos. Por respeito a Portugal, o ex-CEO da Boucheron quer que seja o mundo a vir até cá. Uma inversão do que é mais comum nos produtos de luxo massificados, mas não para o perfume que Pierre Bouissou quer que mantenha as características artesanais. O facto de ser sem género, e passível de usar por homens e mulheres, é outro dos aspetos que salienta.

Ama Portugal, mas mantém o orgulho em ser francês, o que o leva a continuar a pagar os impostos em França, ao contrário da esmagadora maioria dos seus conterrâneos que vêm para Portugal de olho nos benefícios fiscais. Pierre Bouissou garante que o seu estímulo é encontrar aqui a serenidade e a felicidade que desconhecia. É um novo sentido de vida, onde a casa de sonho que construiu no meio do pinhal não foi feita para si, mas sim para partilhar com os amigos que espera reunir nesta propriedade, conforme cada um deles for parando de trabalhar. O objetivo é tê-los a todos para si até ao fim da vida. As marcas de luxo buscam criar uma narrativa que provoque emoções. A Pierre Bouissou basta-lhe contar a sua própria história.

Alma da Comporta

Eau de parfum 100ml, €180

Pontos de venda: Jasmin Noir (Lisboa, Porto, Troia, Quinta do Lago), Barros&Bernard (Lisboa), Lavanda (Comporta), Barracuda (Carvalhal), Quinta da Comporta (Carvalhal)