Perfil

Vida Extra

“Já me disseram que deviam proibir o Huawei P30 Pro”. A crónica de Lourenço Medeiros

Ao mostrar as capacidade de zoom deste telemóvel, disseram-me várias vezes — 'não deviam proibir isso?' Claro que não, para isso os binóculos também deviam ser proibidos. O que assusta é que ninguém espera que um “simples” telemóvel seja capaz de fazer imagens que, por exemplo, identificam uma pessoa a tal distância

Um bom zoom pode ser bem ou mal usado

Lourenço Medeiros

Estava a ver se passava esta onda de publicidade, mas de facto a Huawei parece ter um poço de dinheiro sem fundo, e não se cala. Estou constantemente a dar com anúncios ao Huawei P30 Pro e um bocadinho farto, para não variar, de todos os elogios rasgados que li de quem mal lhe tinha tocado.

Vamos lá então ao que vale a pena: como é esta máquina ao fim de umas boas semanas de uso? E vamos ao spoiler: é boa e recomenda-se, e melhora em relação ao anterior.

Fotografei a Lua! É logo o que apetece dizer. Se forem como eu, já tentaram fazer uma fotografia com o telemóvel a uma belíssima Lua, mesmo sabendo que, por mais que ampliem, o resultado nunca vai passar de uma ponto de luz lá em cima. O P30 Pro é o primeiro telefone com que posso dizer que fotografei a Lua. Claro que é uma imagem pouco nítida, mas estão lá as principais crateras, os traços essenciais para que não se possa confundir a Lua com um projetor de jardim. Fotografei a Lua, e com um telemóvel!

O zoom espião do Huawei P30 Pro

O zoom espião do Huawei P30 Pro

Lourenço Medeiros

Para não variar, vou focar-me sobretudo na máquina fotográfica, afinal é o que ainda distingue os bons telemóveis. De resto mais ecrã, menos ecrã, mais microssegundo ou menos a abrir as aplicações, é muito difícil comparar os topos de gama das principais marcas.

Diz que tem quatro câmaras Leica na parte de trás, eu diria 3+1. A quarta é um sensor de profundidade que está lá para ajudar as outras três a melhorar os efeitos de desfoque, semelhante aos das máquinas profissionais, e funciona. Nas outras três temos uma super grande angular para espaço fechados, paisagens e grupos, a chamada normal ou pequena grande angular e uma lente muito especial. A pequena teleobjectiva tem um sistema de periscópio teorizado há muitos anos, mas que nunca tinha visto numa máquina de grande consumo. Isto permite na prática ter internamente lentes que se deslocam mais do que na posição normal e assim ter um zoom óptico 5X, verdadeiramente impressionante. Essas lentes combinadas dão resultados absolutamente fantásticos que vale a pena explorar. Ao modo dito profissional até se junta um modo abertura para os efeitos de desfocado, quando não usamos os automatismos de deteção de cara para retrato e quando queremos controlar o grau de efeito visível.

Deixo um truque: se gosta de macro, muitas vezes é preferível usar o zoom óptico 5X. O mesmo em relação a imagens distantes, muitas vezes é preferível usar o zoom 5x no máximo e fazer um crop, funciona melhor que o zoom digital. A palavra da Leica deve estar a ganhar peso na marca chinesa e se é que por defeito ainda temos demasiados artefactos, demasiados efeitos de software a tentar embelezar as nossas fotografias, é cada vez mais fácil escapar-lhes. Ou seja, quem gosta de facto de fotografia e quer explorar ao máximo estas espantosas lentes, tem cada vez mais ferramentas para parametrizar e para se libertar dos defeitos dos programas automáticos. Quem preferir automatismos que empolam as cores e alisam as peles, continua a ter lá tudo — é só carregar no botão.

Nesses automatismos o 'modo noite' continua a ser aquele que vamos mostrar aos amigos todos porque fica espetacular no ecrã, mas faça um favor a si próprio e não vá ver em grande detalhe no ecrã grande do computador, porque não há milagres.

Quem disser que está tremida vá lá fora fazer uma fotografia À MÃO com um zoom 50X e depois conversa comigo

Quem disser que está tremida vá lá fora fazer uma fotografia À MÃO com um zoom 50X e depois conversa comigo

Lourenço Medeiros

Não faltam truques e efeitos para brincar sem necessidade de ir buscar outras apps além do que já vem incluído, e ainda hoje (quando escrevo isto) me apareceu uma atualização nova para o vídeo que quero explorar melhor. Podemos fazer um vídeo usando ao mesmo tempo duas das câmaras, uma em grande angular, e escolher o grau de zoom da outra. Isto permite, por exemplo, ter alguém a falar e, tendo o plano apertado na pessoa, ter em simultâneo o plano aberto a mostrar o que a rodeia. É uma linguagem a explorar.

O ecrã como o via em noite escura e a imagem que o P30 conseguiu ir buscar

O ecrã como o via em noite escura e a imagem que o P30 conseguiu ir buscar

Lourenço Medeiros

A única coisa que me ocorre que talvez tenha piorado em relação à geração anterior é o som. Tem uma coluna tradicional em baixo e um sistema que emite som como que a sair do próprio ecrã na zona onde fica o nosso ouvido. Não beneficiou se estivermos por exemplo a ver um vídeo com o telefone nas mãos. O P20 tinha melhor som. O sistema de autenticação com impressão digital no ecrã funciona muito bem, o que não acontece em todas as marcas.

O Huawei tem um ecrã que parece os Samsung ligeiramente curvo nas laterais, tem um interface que vai buscar muito à Apple, ou se preferirem ao próximo Android Q, gestos que simplificam o uso quando aprendidos e que são bem vindos.

Não posso deixar de mencionar a bateria que, se não é imbatível, deve andar lá perto. Eu sei que hoje não usei muito, mas usei, e estou com 90%. São 18 horas e isso diz alguma coisa. Tem possibilidade de carregamento rápido, e a brincadeira de poder carregar outro telemóvel ou acessório sem fios.

Perdeu o jack 3,5, a versão P30 Light mantém, mas ficou com o emissor infravermelhos, uma das melhores notícias de telemóveis que recebi este ano. Ninguém liga nenhuma aos infravermelhos, mas para mim ter esta arma de tirar som a TV’s e outras coisas no género, sempre à mão, é uma grande mais valia.

Usei um Huawei P30 Pro com o processador que todos têm, o Kirin 980 da marca, com 8Gb de Ram e 256Gb de armazenamento.

Só em vídeo, duas câmaras em simultâneo

Só em vídeo, duas câmaras em simultâneo

Siga Vida Extra no Facebook e no Instagram.

  • Deserto

    Mia Tomé

    Um esboço de insónia. O deserto de vazio ou o deserto de desejar. Melodias do rádio e as invenções da madrugada

  • Do que é que se tem falta quando se tem tudo?

    Catarina Nunes

    O recomeço de vida do ex-CEO da Boucheron na Comporta, que deu origem a um perfume, e o luxo da serenidade inspiram a jornalista Catarina Nunes na crónica ‘Sem Preço’ desta semana