Perfil

Vida Extra

O lado íntimo de Prince, “As Never Seen Before", visível em Gaia

A exposição “Prince: As Never Seen Before” apresenta a partir desta quinta-feira, em Vila Nova de Gaia, mais de 50 fotografias inéditas, captadas por Steve Parke que durante 13 anos trabalhou e privou com o artista na casa-estúdio conhecida como Paisley Park

Steve Parke / Iconic Images

“Llámame” diz a sms enviada ao Vida Extra. São nove e meia da noite em Espanha quando o telefone toca. Cristina Carrillo de Albornoz Fisac atende para conversar, durante alguns minutos, a propósito de um homem intemporal. “O que mais me surpreende é o facto de alguém que nasce com aquele talento continuar a lutar para evoluir e melhorar, porque há muita gente que nasce com um talento e acaba por perdê-lo. A música era a vida dele e fez dela um tesouro”.

Ele, de quem fala Cristina, é Prince Roger Nelson. Prince, simplesmente, aquele a quem nada se comparava. O mundo despediu-se do artista no dia 21 de abril de 2016, mas a morte é impossível para uma estrela que deu origem a um universo criativo tão vasto, em constante expansão e transformação. O ícone da pop que marcou as décadas de 1980 e 1990 era de outra dimensão.

Steve Parke / Iconic Images

Cristina Fisac, descreve um homem “audaz”, com uma “enorme capacidade de sedução, um carisma imenso, uma liberdade sexual tremenda” e “muito sentido de humor”, mas “reservado na vida pessoal”, com um “lado misterioso, quase místico e vincadamente espiritual”. Prince, prossegue a crítica de arte, “era um autodidata”, “alguém que nasceu prodigiosamente talentoso” para tocar vários instrumentos e fundir vários géneros, como funk, new wave, rock ou hip hop .

“Tinha uma virtude maravilhosa de sintetizar tudo. Como músico, ele fundiu vários estilos e criou uma nova sonoridade. Rompeu com todas as fronteiras de forma natural”, lembra Fisac a propósito de alguém com uma “mente rapidíssima”, que o fazia “correr para acordar toda a gente quando tinha uma nova ideia”.

Tudo isso pode ser visto a partir desta quinta-feira e até 2 de novembro no ArrábidaShopping, em Vila Nova de Gaia, através de uma odisseia fotográfica, gizada para levar o público aos bastidores da fama e ao encontro do lado mais íntimo do multifacetado artista.

Steve Parke / Iconic Images

Até mesmo Prince se rende a “Our Queen”. Era assim que o “grande admirador de fado” se referia carinhosamente a Ana Moura, que partilha com Cristina Fisac a curadoria da exposição “Prince: As Never Seen Before”. A mostra apresenta mais de 50 fotografias raras e inéditas, pertencentes ao arquivo da agência Iconic Images, que revelam o pequeno grande génio de 1,60m a jogar basquetebol, a dormir uma sesta com a ex-mulher Mayte Garcia ou mesmo a ser penteado por ela.

Esses e muitos outros momentos foram eternizados pela lente do fotógrafo Steve Parke, que durante 13 anos trabalhou com Prince, privando com o músico na casa-estúdio. “Quisemos recriar no ArrábidaShopping um ambiente semelhante ao que podia ser vivido em Paisley Park”, explica Cristina Carrillo de Albornoz Fisac. “O público vai poder ver a pessoa real que era Prince, mas sempre com esse lado misterioso”, assevera a co-comissária que colabora com a Iconic Images.

Steve Parke foi durante 13 anos o diretor de arte de Prince. Além de ser o fotógrafo oficial, também desenhou capas de álbuns e pintou manualmente algumas das guitarras

Steve Parke foi durante 13 anos o diretor de arte de Prince. Além de ser o fotógrafo oficial, também desenhou capas de álbuns e pintou manualmente algumas das guitarras

D.R.

Além da inauguração da exposição — onde Steve Parke marcará presença na livraria Almedina para apresentar, às 19h30, o livro “Picturing Prince: An Intimate Portrait” —, o ArrábidaShopping recebe também esta quinta-feira um tributo musical de Ana Moura ao amigo, com a fadista a interpretar algumas versões num registo intimista e com espaço para partilhar histórias vividas com o artista.