Perfil

Vida Extra

“O Senhor dos Anéis”. Série será fiel a Tolkien, mas bem diferente da trilogia

No caminho das estrelas, por Nuno Galopim

Ilustração usada na capa de uma das edições de “O Silmarillion”, obra que define a mitologia na qual se vai basear a série

Uma série baseada no universo de ficção que J.R.R. Tolkien projetou em livros como a trilogia “O Senhor dos Anéis” vai ser produzida pela Amazon, com uma primeira temporada a chegar aos ecrãs em 2021 (no serviço Prime da Amazon). A “Hollywood Reporter” avançou um orçamento na ordem dos mil milhões de dólares para um projeto pensado para cinco temporadas.

Já se sabia que havia uma vontade em não repetir a trama que Peter Jackson levou ao cinema e que o mais provável era a criação de uma narrativa que decorresse antes dos acontecimentos ali retratados. Assim será, com a ação focada na chamada Segunda Era da Terra Média, que corresponde a um tempo em que são forjados os anéis do poder, em que prospera a ilha de Numenór e em que se assiste à queda de Sauron, aludida na sequência inicial do filme “A Irmandade do Anel”. Esta mitologia foi em parte desenvolvida por Tolkien em textos que seriam publicados já depois da sua morte, em “O Silmarillion”. E, para que o rigor seja respeitado, a produção chamou a si a presença de Tom Shippey, um académico que revelou já que os herdeiros de Tolkien poderão ter direito de veto se lhes parecer que a série se afasta das visões do autor.

Para ler o artigo na íntegra clique AQUI

  • Filme francês evoca caso de pedofilia
    10:54

    "Graças a Deus" evoca um caso de pedofilia que abalou a sociedade francesa, tendo como protagonista um sacerdote católico — com realização de François Ozon, é a principal estreia da semana. João Lopes comenta ainda o lançamento de "Coração Negro", de Rosa Coutinho Cabral; no DVD, surge em destaque a edição de um conjunto de curtas-metragens assinadas por Fernando Lopes.

  • "Só Chove e é Rápido" no Teatro do Bairro
    5:50

    No dia em que os agentes culturais decidiram sair à rua em protesto contra o modelo de apoios do Estado para a cultura estreia um espetáculo feito sem financiamento do Ministério da Cultura. Com texto, encenação e interpretação de Francisco Tavares, "Só Chove e é Rápido" pode ver-se no Teatro do Bairro, em Lisboa. Francisco Tavares foi o convidado do Cartaz.