Perfil

Vida Extra

Famalicão à escuta do folclore do mundo

O Festival Internacional de Folclore de Famalicão realiza-se entre 2 e 4 de agosto. Os três de programação contam com atuações de 11 grupos

D.R.

A tradição local ainda é o que herda do mundo e o Minho transforma-se no centro geodésico de diferentes latitudes musicais, através da primeira edição do Festival Internacional de Folclore de Famalicão. Chama-se Famafolk e realiza-se entre 2 e 4 de agosto, dias em que a cidade abre portas a 11 grupos, dos quais cinco chegam da Grécia, Itália, Sérvia, Espanha e Brasil.

Os espetáculos vão decorrer nas freguesias de Arnoso Santa Maria, Joane e no próprio centro do município. A abertura do festival terá lugar nos Paços do Concelho, pelas 15h30, e, uma hora mais tarde, a Praça D. Maria II será invadida pelo workshop “Danças do Mundo”.

“O concelho tem um património tradicional bastante rico e ativo. Este evento pretende evidenciá-lo, promovê-lo e partilhá-lo com os famalicenses e o público, através de grupos nacionais e internacionais convidados”, enquadra Ricardo Carneiro, diretor artístico da Rusga de Joane, associação responsável pela organização do certame.

“Esta primeira edição conta já com o apoio do Comité Internacional da Organização de Festivais de Folclore (CIOFF), mas o objetivo é, no futuro, conseguir o selo CIOFF que tem como condição a participação de oito a dez países e três continentes representados”, aponta Ricardo Carneiro.

  • Filme francês evoca caso de pedofilia
    10:54

    "Graças a Deus" evoca um caso de pedofilia que abalou a sociedade francesa, tendo como protagonista um sacerdote católico — com realização de François Ozon, é a principal estreia da semana. João Lopes comenta ainda o lançamento de "Coração Negro", de Rosa Coutinho Cabral; no DVD, surge em destaque a edição de um conjunto de curtas-metragens assinadas por Fernando Lopes.

  • "Só Chove e é Rápido" no Teatro do Bairro
    5:50

    No dia em que os agentes culturais decidiram sair à rua em protesto contra o modelo de apoios do Estado para a cultura estreia um espetáculo feito sem financiamento do Ministério da Cultura. Com texto, encenação e interpretação de Francisco Tavares, "Só Chove e é Rápido" pode ver-se no Teatro do Bairro, em Lisboa. Francisco Tavares foi o convidado do Cartaz.