Perfil

Vida Extra

Vivemos tempos interessantes

Veneza não é assim tão longe. Vá, prometo-lhe, a arte que lá está muda o mundo. E a si também

Guta Moura Guedes

Esta não foi uma Bienal de Veneza fácil. Quando me encontrei em Londres em Novembro do ano passado com Ralph Rugoff, director desta 58ª edição da Bienal de Arte de Veneza, tive o privilégio de discutir com ele o tema que lançou para esta edição, “May you Live Interesting Times”. Começar com uma frase que é uma quote irónica a uma maldição falsamente atribuída a chineses nos anos 30, lançando-a no presente, momento maior das fake news é, no mínimo, estimulante. Rugoff queria falar, acima de tudo, do papel da arte na construção de uma sociedade melhor e de que forma é que esta, em tempos de caóticos e disruptivos — mas interessantes — serve para criticar, solucionar, expandir e potenciar a nossa visão sobre o mundo e a nossa participação colectiva. Tema instigante que teve interpretações várias, tendo o Pavilhão da Lituânia, com a sua praia “falsa” Sun & Sea (Marina), uma espécie de ópera/instalação sobre os perigos das alterações climáticas e uma assertiva crítica à utilização dos “tempos livres”.

Para ler o artigo na íntegra, clique AQUI.

Siga Vida Extra no Facebook e no Instagram.

  • Sérgio Praia: “Houve tanta mentira e tanta gente que se aproveitou do António”

    “Variações”, a primeira longa-metragem de João Maia, com produção da “David & Golias”, estreia esta quinta-feira. A voz e o rosto da celebração são os de Sérgio Praia que, em entrevista ao Vida Extra, retrata um António determinado e frágil, “envergonhado e que falava baixinho”, cosmopolita e rústico, um “animal de caça” que adorava Iggy Pop e um homem simples “devoto de pataniscas com arroz de feijão, que preferia comer à mão”. Foram 12 anos calcorreados ao encontro de um artista “maltratado, apontado e apedrejado”, tornado “santo” depois da morte, com o único “vício de nunca ficar”

  • Vozes do Rio invisível

    No seu livro de estreia, o escritor carioca Geovani Martins escreve contos intensos, mas desiguais, sobre a vida nas favelas do Rio de Janeiro

  • Uma mulher feliz

    Moderna antes do tempo, Lou Andreas-Salomé domina os salões de uma Europa em plena Belle Époque. À vontade na felicidade e na beleza, arrasa corações e sobe degraus na sabedoria à medida que se envolve com os homens da sua vida. Avessa a convenções, livre e ousada, avança pelo mundo da psicanálise para justificar a sexualidade, a religião e o amor. Nietzsche, Rilke e Freud foram seus aliados