Perfil

Vida Extra

Maria João Pires recebe em Belgais Medalha de Mérito Cultural

Ministra da Cultura distingue Maria João Pires por "serviço de exceção" na divulgação cultural

ANTÓNIO JOSÉ

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, atribuiu este domingo em Belgais, distrito de Castelo Branco, a Medalha de Mérito Cultural à pianista Maria João Pires, destacando o seu “serviço de exceção” na divulgação cultural e a sua “entrega à música”.

"Esta medalha simboliza um compromisso do Governo com as artes e uma aproximação entre as políticas públicas para a Cultura e aqueles que, através do país e ao longo do tempo, prestaram um serviço de exceção na ação e divulgação cultural em Portugal", afirmou Graça Fonseca.

A governante explicou que foi com Maria João Pires que aprendeu não apenas a gostar, mas, fundamentalmente, "a serenar e a sonhar a vida ao som de música clássica".

Orgulho e privilégio

"É, pois, com enorme sentimento de humildade e de gratidão que hoje aqui estou - como pessoa, mas também com um imenso orgulho por aqui representar o Governo português neste momento, tão simbólico como relevante, de reconhecimento e agradecimento pelo talento extraordinário e pela entrega à música", referiu a ministra.

Graça Fonseca sublinhou que a entrega da distinção à pianista "é um privilégio maior" após o recital "De Budapeste ao Delta", do ciclo de concertos "O Fio de Danúbio", em Belgais.

"Este é verdadeiramente um espaço de cultura, no sentido mais amplo que a ideia consegue conter, com um cariz pedagógico e social a complementar este lugar da e para a música", disse a ministra que enalteceu a vida dedicada a música de Maria João Pires "que este espaço tão bem exemplifica".

Segundo a ministra da Cultura, "há um amplo sentido na atribuição desta medalha". Este reconhecimento "é encarado como um “poder-dever, no sentido de que, sendo uma atribuição do Governo, ela não corresponde apenas ao mérito que pretende traduzir, mas também ao cumprimento de um imperativo de memória e de aproximação".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve também na cerimónia, mas não prestou declarações.

Medalha para o futuro

Ao agradecer a Medalha de Mérito Cultural, Maria João Pires afirmou que não sabe se mereceu no passado a distinção mas prometeu tudo fazer para a merecer no futuro.

"Eu não sei se a mereci no passado, mas vou fazer tudo o que posso para a merecer no futuro", afirmou a pianista.

Maria João Pires, visivelmente emocionada com a distinção, recordou que Belgais existe para fazer um trabalho útil e construtivo para a sociedade e para as novas gerações, como forma de usar e fazer arte, "para que o mundo seja melhor e as pessoas mais felizes".

E falou o centro de Belgais como um laboratório "em que tudo o que fazemos é um pouco experimental". E isso "precisa muito, não do reconhecimento, mas de as pessoas acreditarem", acentuou.

  • Sérgio Praia: “Houve tanta mentira e tanta gente que se aproveitou do António”

    “Variações”, a primeira longa-metragem de João Maia, com produção da “David & Golias”, estreia esta quinta-feira. A voz e o rosto da celebração são os de Sérgio Praia que, em entrevista ao Vida Extra, retrata um António determinado e frágil, “envergonhado e que falava baixinho”, cosmopolita e rústico, um “animal de caça” que adorava Iggy Pop e um homem simples “devoto de pataniscas com arroz de feijão, que preferia comer à mão”. Foram 12 anos calcorreados ao encontro de um artista “maltratado, apontado e apedrejado”, tornado “santo” depois da morte, com o único “vício de nunca ficar”

  • Vozes do Rio invisível

    No seu livro de estreia, o escritor carioca Geovani Martins escreve contos intensos, mas desiguais, sobre a vida nas favelas do Rio de Janeiro

  • Uma mulher feliz

    Moderna antes do tempo, Lou Andreas-Salomé domina os salões de uma Europa em plena Belle Époque. À vontade na felicidade e na beleza, arrasa corações e sobe degraus na sabedoria à medida que se envolve com os homens da sua vida. Avessa a convenções, livre e ousada, avança pelo mundo da psicanálise para justificar a sexualidade, a religião e o amor. Nietzsche, Rilke e Freud foram seus aliados