Perfil

Vida Extra

Na sombra de Lourdes Castro

Viveu em Paris durante 25 anos, foi lá que se revelou ao mundo e concebeu a sua assinatura. Agora, pela primeira vez, uma exposição retrospetiva de Lourdes Castro mostra-a de novo em França

Lourdes Castro

Foi preciso fazermos um longo trajeto até Sérignan, pequena vila no Sul de França situada entre vinhedos e a costa a poucos quilómetro de Béziers, uma das mais antigas e importantes cidades francesas perto dos Pirenéus, para nos encontrarmos com a singular obra de Lourdes Castro, que se apresenta agora numa retrospetiva inédita que tem por título “Ombres & Compagnie”. O lugar que a acolhe é o Musée Régional d’Art Contemporain Occitanie/Pyrénées-Méditerranée, o principal polo artístico da região do Languedoc-Roussillon.

O acontecimento é inédito. A artista madeirense viveu, entre 1958 e 1983, em Paris, os anos de maior produção e afirmação, e foi a partir desta cidade e da contaminação com o ambiente artístico que se vivia então que produziu uma obra a partir do estudo da sombra, inscrevendo-se assim como nome fundamental na história da arte contemporânea portuguesa. Apesar de ter conseguido durante esse tempo desenvolver um percurso internacional, e de ter feito parte da cena artística francesa dos anos 60 e 70, nunca chegou a ter uma exposição individual, ou retrospetiva da sua obra em França. Esta é a primeira vez que lhe é dedicada uma grande exposição individual e é uma história de mulheres.

É Sandra Patron, diretora do museu, quem nos recebe e conta que foi a resiliência de Anne Bonnin, curadora da retrospetiva, conhecedora do panorama artístico nacional e apaixonada pela obra de Castro, que a levou a um lugar tão distante dos centros das capitais de arte contemporânea, com o intuito de que funcione como um lugar de primeira visibilidade para que “Ombres & Compagnie” possa depois circular em outros centros de arte.

Para ler o artigo na íntegra, clique AQUI.

  • Sérgio Praia: “Houve tanta mentira e tanta gente que se aproveitou do António”

    “Variações”, a primeira longa-metragem de João Maia, com produção da “David & Golias”, estreia esta quinta-feira. A voz e o rosto da celebração são os de Sérgio Praia que, em entrevista ao Vida Extra, retrata um António determinado e frágil, “envergonhado e que falava baixinho”, cosmopolita e rústico, um “animal de caça” que adorava Iggy Pop e um homem simples “devoto de pataniscas com arroz de feijão, que preferia comer à mão”. Foram 12 anos calcorreados ao encontro de um artista “maltratado, apontado e apedrejado”, tornado “santo” depois da morte, com o único “vício de nunca ficar”

  • Vozes do Rio invisível

    No seu livro de estreia, o escritor carioca Geovani Martins escreve contos intensos, mas desiguais, sobre a vida nas favelas do Rio de Janeiro

  • Uma mulher feliz

    Moderna antes do tempo, Lou Andreas-Salomé domina os salões de uma Europa em plena Belle Époque. À vontade na felicidade e na beleza, arrasa corações e sobe degraus na sabedoria à medida que se envolve com os homens da sua vida. Avessa a convenções, livre e ousada, avança pelo mundo da psicanálise para justificar a sexualidade, a religião e o amor. Nietzsche, Rilke e Freud foram seus aliados