Perfil

Vida Extra

Morreu ilustrador e escritor francês Tomi Ungerer

O ilustrador e escritor francês Tomi Ungerer morreu hoje aos 87 anos, na Irlanda, em casa da filha, anunciou o seu ex-assessor Robert Walter

ANTHONY ANEX

O ilustrador e escritor francês Tomi Ungerer morreu hoje aos 87 anos, na Irlanda, em casa da filha, anunciou o seu ex-assessor Robert Walter.
"Ele morreu durante a noite. Foi a esposa que me ligou hoje pela manhã", disse à agência France Presse Robert Walter, um amigo "de 35 anos".

Autor de famosos álbuns infantis, o cartunista Tomi Ungerer, que morreu na Irlanda aos 87 anos, era um artista que ridicularizava as fronteiras entre os géneros, manipulava idiomas e deixou uma marca profunda nas artes gráficas.


Nascido a 28 de novembro de 1931 em Estrasburgo, no seio de uma família de relojoeiros, Tomi Ungerer - Jean-Thomas era o seu nome verdadeiro - ficou órfão aos três anos, sofreu a anexação da Alsácia pela Alemanha e a doutrinação nazista nas escolas.


Em 1956 emigrou para Nova Iorque onde começou a escrever livros infantis. Publicou em jornais e revistas como o The New Yorker, Esquire, Life Show e Fortune. Mais tarde mudou-se para o Canadá e no final dos anos 70 radicou-se na Irlanda. Ungerer publicou mais de 140 livros infantis e do fantástico ao autobiográfico.


Entre as suas obras contam-se títulos como "Emílio", "Os Três Bandidos", "Crictor", "Adelaide", "O Homem da Lua" ou "Rufus". Entre outras distinções, Tomi Ungerer recebeu a Medalha de Ouro da Sociedade de Ilustradores e o Prémio Hans Christian Andersen em 1998.


Depois de se ter retirado como ilustrador, desenvolveu outra faceta como filantropo, vocacionado para causas humanitárias. Em Estrasburgo, a sua cidade natal, está localizado um museu com o seu nome ao qual Tomi Ungerer doou mais de 11.000 desenhos, esculturas, brinquedos e livros originais.

  • Sérgio Praia: "Houve tanta mentira e tanta gente que se aproveitou do António"

    “Variações”, a primeira longa-metragem de João Maia, com produção da “David & Golias”, estreia esta quinta-feira. A voz e o rosto da celebração são os de Sérgio Praia que, em entrevista ao Vida Extra, retrata um António determinado e frágil, "envergonhado e que falava baixinho", cosmopolita e rústico, um "animal de caça" que adorava Iggy Pop e um homem simples "devoto de pataniscas com arroz de feijão, que gostava de comer à mão”. Foram 12 anos calcorreados ao encontro de um artista “maltratado, apontado e apedrejado”, tornado “santo” depois da morte, com o único “vício de nunca ficar”

  • Vozes do Rio invisível

    No seu livro de estreia, o escritor carioca Geovani Martins escreve contos intensos, mas desiguais, sobre a vida nas favelas do Rio de Janeiro

  • Uma mulher feliz

    Moderna antes do tempo, Lou Andreas-Salomé domina os salões de uma Europa em plena Belle Époque. À vontade na felicidade e na beleza, arrasa corações e sobe degraus na sabedoria à medida que se envolve com os homens da sua vida. Avessa a convenções, livre e ousada, avança pelo mundo da psicanálise para justificar a sexualidade, a religião e o amor. Nietzsche, Rilke e Freud foram seus aliados