Perfil

Vida Extra

Xutos & Pontapés. “Nunca pensámos acabar”

No mês em que celebram 40 anos, os Xutos & Pontapés lançam “Duro”, um álbum em que abrem “janelas de comunicação”, sem trair o seu som. É também o primeiro disco sem Zé Pedro, cuja guitarra ainda se ouve por aqui

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Rita Carmo

A tarde é de sol, embora lá fora o frio se imponha. À porta do quartel-general dos Xutos & Pontapés, encaixado entre armazéns na zona industrial de Lisboa, um X gigante marca o tesouro; lá dentro, Tim, João Cabeleira, Kalú e Gui acabam de petiscar umas bifanas, antes de se sentarem com o Expresso para falarem sobre o novo disco, “Duro”, nas lojas na próxima sexta-feira, mas também sobre o aniversário que celebrariam dali a poucos dias. Foi a 13 de janeiro de 1979 que os novatos, então com Zé Leonel na voz, tomaram de assalto a sala Alunos de Apolo, em Lisboa. Em 2016, Zé Pedro recordava à “Blitz” a raça daquele concerto inaugural: “Na altura tomávamos [comprimidos] Fringanor, andávamos sempre a uma velocidade maluca. Lá fomos para o concerto, e eu disse: ‘eu dou as entradas e saídas’. Mas, com os ‘fringanores’ e a adrenalina de estar em palco, eu cortava as músicas a arrasar. Daí as quatro músicas em seis minutos. Entrámos e saímos, ninguém percebeu nada. Não tivemos assobiadelas, também não tivemos palmas, mas saímos dali a pensar que éramos a maior banda. No dia seguinte, na rádio, disseram: ‘apareceu lá uma banda semipunk, ninguém percebeu o que era’, porque o Zé Leonel saltava para o público e nem se percebia o que cantava.

Tinha acontecido a nossa estreia.” 40 anos volvidos, os Xutos são a maior banda rock de Portugal, uma autêntica instituição que, apesar da pesada logística que hoje acarretam as suas digressões, continua a destacar-se pelo empenho nas atuações e pela transversalidade do seu público. Junto a uma janela por onde entra o sol de janeiro, os quatro falam com entusiasmo do que aí vem: um álbum recheado de canções fortes e experiências divertidas, uma digressão de alinhamento “pesadinho”, o desejo de reencontro com os fãs. Há pouco mais de um ano, porém, muitos se questionaram: irão os Xutos continuar?

Para ler o artigo na íntegra, clique AQUI.