Perfil

Vida Extra

Compradora do Banksy que se autodestruiu vai mesmo pagar 1,18 milhões de euros pelo quadro

Passado o choque inicial, a anónima licitadora diz que percebeu que tinha obtido um lugar na história de arte. E o quadro, mesmo retalhado, também parece ser um ótimo investimento

A licitadora anónima que comprou por mais de um milhão de libras, na Sotheby's, um quadro de Banksy que logo a seguir foi destruido por um triturador de papel embutido na moldura, chocando o público que assistia ao leilão, afinal vai mesmo pagar a obra e ficar com ela.

Numa declaração tornada pública pela leiloeira, a compradora justifica: "Quando o martelo bateu na semana passada e a obra foi desfeita, primeiro fiquei chocada, mas gradualmente comecei a perceber que tinha acabado por ficar o meu próprio pedaço de história de arte".

Em termos financeiros, deverá ser uma excelente decisão. Conforme explicou um fundador da plataforma MyArtBroker, "o resultado do leilão só vai divulgar isto ainda mais, e dada a atenção mediática que a encenação teve, o comprador terá um grande retorno no 1,04 milhão de libras (1,18 milhões de euros) que pagou".

A estimativa é que o valor da obra tenha aumentado pelo menos 50% por causa da publicidade que o gesto de Banksy recebeu - podendo mesmo chegar aos 2 milhões de libras. Mas também há quem suspeite que a Sotheby's sabia de tudo. Como foi possível os seus especialistas, ao examinarem a obra, não se terem apercebido da maquinaria que havia lá dentro?

Seja como for, o caso entrou diretamente para a lenda da arte contemporânea. O chefe do departamento da Sotheby's afirmou que Banksy não tinha destruido uma obra de arte mas criado uma - ao vivo, durante um leilão - e um negociante de arte britânica do século XX, Offer Waterman, resumiu: "[O quadro] tornou-se mais valioso como momento concetual do que como obra de arte em si mesma".