Perfil

Vida Extra

“Até Que o Porno nos Separe” selecionado para festival na República Checa. Veja o trailer

O documentário “Até que o porno nos separe”, de Jorge Pelicano, é a história de uma mãe que descobre que o filho é ator pornográfico

O documentário "Até que o porno nos separe", de Jorge Pelicano, história de uma mãe que descobre que o filho é ator pornográfico, foi selecionado para o Festival de Cinema de Jihlava, que começa no dia 25 na República Checa. De acordo com a produtora Até ao Fim do Mundo, o filme foi selecionado para a competição internacional, na secção "Opus Bonum", dedicada a documentários de todo o mundo.

"Até que a morte nos separe", que deverá chegar aos cinemas portugueses no começo de 2019, aborda a história de uma mãe, Eulália, que descobre em 2013, por intermédio de uma amiga, que o filho emigrado na Alemanha era um "reconhecido ator porno gay", Fostter Riviera.

É "uma história de amor, entre uma mãe e um filho, com todos os ingredientes de uma história de amor: deceções, alegrias e tristezas", contou Jorge Pelicano à agência Lusa, em abril passado, quando o filme teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Buenos Aires, na Argentina.

Eulália, católica e conservadora, residente num bairro nos arredores do Porto, descobre que o filho é homossexual e ator de filmes pornográficos, e o documentário retrata a transformação que a descoberta causou na vida dela. "Em nome desse amor pelo filho, acaba por iniciar uma longa viagem de transformação da própria pessoa para aceitar o seu filho", explica o realizador.

"Até que o porno nos separe" foi rodado entre 2016 e 2017 e, embora tenha a pornografia como ponto de partida, conta "uma história de amor entre uma mãe e um filho e a maneira como os pais lidam com as escolhas dos filhos", sublinhou Jorge Pelicano.

Jorge Pelicano iniciou a vida profissional no jornalismo, sobretudo como repórter de imagem em televisão, antes de enveredar pelo cinema documental. É autor dos filmes "Ainda há pastores?" (2005), "Pare, escute, olhe" (2009) e "Para-me de repente o pensamento" (2015).

  • Sérgio Praia: “Houve tanta mentira e tanta gente que se aproveitou do António”

    “Variações”, a primeira longa-metragem de João Maia, com produção da “David & Golias”, estreia esta quinta-feira. A voz e o rosto da celebração são os de Sérgio Praia que, em entrevista ao Vida Extra, retrata um António determinado e frágil, “envergonhado e que falava baixinho”, cosmopolita e rústico, um “animal de caça” que adorava Iggy Pop e um homem simples “devoto de pataniscas com arroz de feijão, que preferia comer à mão”. Foram 12 anos calcorreados ao encontro de um artista “maltratado, apontado e apedrejado”, tornado “santo” depois da morte, com o único “vício de nunca ficar”

  • Vozes do Rio invisível

    No seu livro de estreia, o escritor carioca Geovani Martins escreve contos intensos, mas desiguais, sobre a vida nas favelas do Rio de Janeiro

  • Uma mulher feliz

    Moderna antes do tempo, Lou Andreas-Salomé domina os salões de uma Europa em plena Belle Époque. À vontade na felicidade e na beleza, arrasa corações e sobe degraus na sabedoria à medida que se envolve com os homens da sua vida. Avessa a convenções, livre e ousada, avança pelo mundo da psicanálise para justificar a sexualidade, a religião e o amor. Nietzsche, Rilke e Freud foram seus aliados