Perfil

Vida Extra

“Human Flow”, o filme de Ai Weiwei sobre os refugiados, chega ao Porto este domingo

Ai Weiwei esteve em vários pontos do mundo, a conhecer a realidade das migrações humanas, e construiu um documentário a partir dessa experiência. “Human Flow” é o mais recente trabalho do artista dissidente chinês e faz parte da programação da Mostra Internacional de Cinema Anti-Racista

SANDER KONING

Há uma pergunta que se impõe, de difícil resposta e desconhecida certeza, mas é também por isso que é feita. Para fazer pensar, refletir e levar a agir. “Será que a nossa sociedade global emergirá do medo, do isolamento e do interesse próprio e escolherá um caminho de abertura, liberdade e respeito pela humanidade?” Não sabemos se emergirá depois de tanto tempo submersa — a forma como as migrações e a crise de refugiados está a ser gerida não mostra haver muito ar para respirar —, mas sabemos que há quem faça tudo o que está ao seu alcance para mudar a realidade em que vivemos. Aquela em que muitos apenas sobrevivem.

A questão é uma das muitas que “Human Flow” levanta, mas nem só de palavras vive o projeto outrora secreto de Ai Weiwei (na foto, à esq.). As imagens também contam histórias por si só e o artista dissidente chinês sabe disso como ninguém. Foi por isso, e por acreditar que valia a pena procurar histórias relacionadas com as migrações humanas nos lugares em que estas acontecem, que criou um trabalho documental que “capta um ano de acontecimentos em 23 países, seguindo uma série de histórias humanas que se estendem por todo o mundo”.

Não haverá muitas realidades deixadas de fora — do Afeganistão ao Bangladesh, passando por França, Grécia, Alemanha e Itália, mas também Quénia, México, Iraque, Israel e Turquia, estiveram em toda a parte — e o filme dá a conhecer a vida daqueles que passam pelas maiores privações em busca de segurança. Desengane-se quem pensar que as imagens captadas não são fortes, mas a verdade é que também já é tempo de nos desenganarmos. Às filmagens em campos de refugiados juntam-se partes gravadas durante travessias oceânicas e imagens de fronteiras com arame farpado.

O filme é uma produção da Amazon Studios e da Participant Media, em parceria com a AC Films, e conta com Ai Weiwei como realizador. O artista plástico — que já realizou outros 12 documentários e está a trabalhar no seu próximo trabalho documental, “Berlin, I Love You” — está também na produção, onde se junta a Chin-Chin Yap e Heino Deckert. O projeto teve produção executiva de Andrew Cohen (AC Films), Jeff Skoll e Diane Weyermann (Participant Media). Apresentado pela primeira vez no Festival Internacional de Cinema de Veneza, “Human Flow” estreou em cinemas norte-americanos no ano passado e está a ser apresentado em todo o mundo.

“Human Flow” é exibido este domingo, pelas 17h30, no Teatro Municipal Rivoli, no Porto. A entrada é gratuita e à sessão de cinema (o documentário tem a duração de 2h20) segue-se um tempo de debate com a presença de Senka Neuman-Stanivukovic, do Euroculture.